Por que South Park é tão bom? Uma perspectiva sobre as eleições

Confira minha visão sobre a estrutura de como South Park constrói argumentos. Além de, é claro, comparar com a situação eleitoral do Brasil

Vou jogar o meu viés logo de cara. Eu acho que South Park é genial. É um desenho que faz tanta coisa ao mesmo tempo de forma que eu nem pensei ser possível, mas é possível, porque quem tem habilidade consegue. O desenho é titânico em tamanho, é muito grande, tão grande que não acho que é possível falar da série inteira como um todo de forma muito coerente, porque os temas, a direção, os personagens, são coisas que mudam muito dependendo da situação. Tendo isso em vista, pensei em fazer algo que vi o SupperBunnyHop, um dos melhores youtubers que acompanho, fazer uma vez: uma análise em fatia. Ele mostra uma área de Metal Gear Solid 3 que representa praticamente quase tudo que você pode fazer no jogo, aquela área é uma fatia representativa do todo (não lembro nem se o nome é esse mesmo). Da mesma forma, vou pegar um episódio de South Park e tentar explicar, analisando ele, porque South Park é tão bom.


O episódio "fatia" é "Douche and Turd", em português talvez seja algo como "O Babaca e o Merdão". Tudo começa com as crianças no ginásio da escola assistindo uma apresentação das líderes de torcida, quando o PETA, People for the Ethical Treatment of Animals, invade o local e começa a jogar sangue nas meninas, dizendo que a escola tem um sério problema, pois o mascote deles é uma vaca. Há uma sátira muito pesada a esse tipo de grupo ambientalista, mas esse não é o tema do episódio, aqui eles são mais uma ferramenta, porque o que importa é o que vem depois.


A escola cede aos pedidos do PETA e decide criar uma votação para um novo mascote. Kyle olha isso e acha ridículo, então, como uma forma de protesto ele diz que em vez de votar nos mascotes atuais, todos deveriam escrever "Babaca Inútil" no papel. Cartman, como é de esperar, copia a ideia de Kyle mas com um toque especial, mudando o nome do candidato para "Sanduíche de Merda". Os dois começam um embate sobre qual mascote é melhor, um embate que não faz sentido, afinal tudo isso era pra ser uma piada na verdade, porém eles continuam veementemente achando que o outro lado está errado porque sim. Neste momento começa o verdadeiro tema do episódio, as eleições. Por meio do humor e uma situação absurda, South Park começa a nos mostrar todo tipo de absurdo que vemos em época de eleição e os problemas decorrentes disso, pois, com o tempo, a disputa é mais sobre favoritismo e não sobre boas propostas, afinal, desde o começo os dois candidatos são duas piadas.

Cartman e Kyle brigando sobre qual candidato é melhor

Tendo em vista essa situação, um dos personagens mais racionais, o Stan, acha que tudo isso é uma bobagem, e decide se abster dessa bagunça. Por conta disso ele é perseguido por um rapper que nem conheço, mas também por sua família, amigos, pela cidade, chega ao ponto de que, por ele não querer votar, o banem de South Park. Nesse momento Stan é humilhado e começa sua jornada até chegar na cidade do PETA, onde eles transam com animais e são idiotas (o desenho realmente não gosta do PETA), lá um dos líderes da comunidade pergunta para o Stan "por que você não quis votar?" Stan diz "eu acho que o voto é algo sensacional, mas nesse momento eu não quero votar, pois é um Merda e um Babaca" o líder diz "Stan, é sempre um Merda e um Babaca, eles são os únicos que conseguem se rebaixar pra chegar em uma eleição".


Com uma esperança renovada, Stan volta, todos o recebem! Começa até uma música que vou deixar abaixo. Todos muito felizes porque Stan aceitou votar, fazem festa ao redor dele, porém, após tudo isso, o Babaca Inútil vence com uma grande diferença, e Stan olha e diz "Peraí, quer dizer que meu voto não valeu para nada?". O pai de Stan diz que não, porém descobrem que o pessoal do PETA morreu, então decidem voltar com o mascote antigo, o pai de Stan vira e diz "Agora seu voto não valeu para nada". O episódio termina.



Voltando a análise, o que quero mostrar ao falar desse episódio é mais ou menos a forma pela qual South Park realiza sua crítica satírica. Pois South Park faz o que muitos comediantes bons também fazem, usam do ridículo para explicitar um problema e passar uma mensagem. Quando você ridiculariza algo, mas consegue usar isso para um propósito específico, você está construindo um argumento, e o ridículo pode ser, nesse caso, uma ótima ferramenta para explicitar o quão idiota certas coisas são.


South Park sempre exagera, sempre é sarcástico, sempre quer ofender mesmo. Mas, faço-lhes a seguinte pergunta, tirando todos os absurdos desse episódio, a crítica que ele fez não tem uma ótima base e uma mensagem forte? Pois, afinal de contas, na época de eleição, todo mundo, vira de uma hora para outra um grande defensor que não consegue explicar porque defende seu candidato, os candidatos geralmente não falam nada com nada e os debates são um circo, há até uma cena do Sanduíche de Merda e o Babaca inútil em um debate, nos quais eles só ficam se xingando e evitando as perguntas. Além disso, o episódio fala sobre como o voto de um único individuo geralmente não tem poder para mudar nada, e mesmo assim, muita gente, seguindo a ideia de que a democracia é impassível de críticas, tacha quem se recusa a participar de burro, alguém que não tem respeito pelos direitos básicos da democracia, como mostra a perseguição extrapolada de Stan.


Você pode não concordar com os argumentos, mas fato é que uma dissertação foi construída de uma das formas mais irreverentes possíveis, através do humor e do ridículo. E eu vou além, dizendo que a crítica que usa o ridículo tem um papel diferente de uma dissertação normal, porque ela serve para ser uma crítica muito mais agressiva, até ofensiva, afinal ofensa é subjetiva e o bom humorista não deve se importar de ofender, e isso causa um efeito muito mais forte em quem ouve, porque a crítica de South Park retrata sempre o extremo de cada situação, porém, com um pé muito forte em eventos reais, afinal esse episódio foi exibido perto da eleição presidencial e imagino que aqui, no Brasil, você, caro leitor, consiga relacionar os temas do episódio a sua própria realidade e abstrair momentos em que as conclusões de South Park estavam corretas.


É importante lembrar de novo que as situações de South Park, por mais extremas que sejam, tem um pé muito forte no mundo real, afinal há pessoas que olham o quão South Park é absurdo e esquecem de analisar que por trás de toda essa loucura há uma dissertação. Se alguém quiser dizer que South Park está errado, precisa responder a dissertação, a ideia por trás, e não ao absurdo, porque imagine o quão improdutivo pareceria alguém levando uma piada a sério e respondendo a ela e nada mais. Na verdade, não é preciso imaginar, quantas pessoas odeiam South Park por causa da forma como a obra trata de temas delicados? Ofensa é praticamente um dos objetivos do show, e por trás disso também há uma ideia, um princípio. Se você concorda com esse princípio ou não, é preciso fazer uma dissertação contra ele, em vez de simplesmente dizer "ofender é ruim".


Há muitas coisas que se pode analisar em South Park, mas esse estilo de análise é o que mais se destaca quando olho para a obra, é o que fica marcado na minha mente. Apesar de ser algo tão importante, nem sempre South Park foi assim, porém, nos dias de hoje, ninguém pensa em South Park sem a sátira pesada pela qual o desenho é conhecido. Farei uma menção honrosa a outra coisa que poderíamos falar sobre a obra, por exemplo, como South Park é aberto em relação às questões culturais dos Estados Unidos. Justamente por ser uma obra sem papas na língua, sem medo de ofender alguém, ela discute coisas que desenhos como Os Simpsons, Família da Pesada e American Dad evitaram durante todos esses anos: a imigração. Em comparação a eles, South Park faz uma análise profunda sobre a questão em si por meio de vários episódios ao longos dos anos, afinal as vezes a obra mostra problemas em relação a imigração, e as vezes ela mostra que os próprios americanos são o problema, cada episódio analisando a questão através de uma lente nova, levando em consideração outro aspecto da questão. Aliás, pode-se dizer que South Park pode ser usado para fazer um mapeamento histórico das últimas décadas de história americana, pois muitos dos temas do momento sempre foram satirizados pela série, e essa tradição continua até hoje.


South Park é o melhor exemplo que conheço de dissertação através do humor, ou do ridículo. É uma obra que faz isso há tanto tempo que já virou praticamente a maior referência nesse sentido. É um desenho que não se importa com seus sentimentos e irá até todos os extremos possíveis para discutir tudo que achar relevante. Há tanta coisa que pode ser abstraído de South Park, porque, como eu disse, a maioria dos episódios é uma dissertação, e a obra está há mais de duas décadas produzindo reflexões irreverentes sem parar. Por último, gostaria de dizer que, South Park, acima de tudo, é uma história sobre os seres humanos e os problemas que nós causamos para nós mesmos.

Only Darkness Will Remain.

Siga a DP nas redes sociais! FacebookTwitter e Instagram

Postagens Relacionadas

Comentários

Postagens mais visitadas