Pular para o conteúdo principal

Destaques

A religião, a indústria cultural e a introversão na arte sul-coreana [Especial]

Do cinema ao kpop. Do budismo ao cristianismo. Um dorama pode dizer mais do que imaginamos

Radiohead ao vivo no Brasil: O dia em que falamos a mesma língua

O espetáculo e um registro sobre minha experiência
por Júlia Alves

Alguns momentos marcam as nossas vidas, ficam registrados na janela da memória. Pequenos gestos, conquistas e pedidos, e para mim, o melhor momento de todos é quando estou conectada com algo. Costumo escrever sobre filmes e livros, porém música eu sempre tive mais dificuldade, talvez pelo fato de ser a coisa mais intima que posso mostrar/escrever sobre mim. Com música não existe imparcialidade, é aquilo que te toca ou não, que te movimenta, inspira ou motiva. Estar em um show é uma experiência quase de transformação, não saímos o mesmo, não queremos que acabe. Dependendo do amor e admiração por aquela banda ou artista, experimentamos a sensação de sair do próprio corpo.

Ir à um show é se conectar com outras pessoas, saber que todos estão ali por um mesmo motivo, a música nos une, o prazer sonoro, o sentir, o fato de presenciar ao vivo algo que talvez tenha marcado nossa infância, nossa adolescência, nossa vida. Pessoas diferentes, de lugares e historias distintas, mas que naquele momento se entendem, falam a mesma língua, se emocionam com a mesma poesia, gritam com a mesma música.

No último domingo (22) eu fui ao show do Radiohead aqui em São Paulo. Foi a primeira vez que fui no Allianz Parque, e mesmo já tendo ido em outros shows e até festivais maiores, aquele momento me deu uma sensação de primeira vez; o frio na barriga e aquela energia toda. Eu fui com seis queridos amigos, e já deixo registrado que isso já faz toda a diferença, não é legal depender de outras pessoas para ir a um show, ou cinema ou coisa que for, mas quando seu momento é compartilhado com as pessoas certas e você sente a euforia genuína no olhar e voz de cada um, tudo faz ainda mais sentido. Aquele momento é de vocês, e todos sabem disso.

Radiohead: meu motivo
Foto de Anderson Carvalho

Falando sobre a banda mais a fundo, eu já os conhecia há muito tempo e as músicas mais tocadas também, mas nos últimos dois anos me relacionei com pessoas que me apresentaram esse universo inteiro, e sim pois Radiohead não é só uma banda, é um universo de possibilidades. As vezes você se perde na melodia, os caras te fazem entrar no som de verdade, quando eu estava ouvindo no fone e me dava conta, nem prestava atenção na letra, só estava ali, sendo guiada e refém da música. Aquilo me conquistou, ganhou uma chavinha para passear pela minha mente.

No dia eles tocaram vários de seus sucessos, a iluminação estava impecável, eu me senti uma criança levantando os pezinhos e seguindo as luzes quando começou o evento, um belo retrato para minha mente. Estar em um show do Radiohead é como uma montanha russa de emoções, a sonora e instrumentos te ajudam a passear por esse som, em alguns momentos você está pulando de alegria e fingindo que tem baquetas nas mãos, e já em outros se depara com a mão no coração quase como recitando uma poesia. E por falar em letras, e que letras meus caros. Triste, profundo, bonito, genuinamente depressivo. A perfeição para aqueles que gostam da melancolia no momento certo. Quase cômico quando li isso em voz alta, mas seguimos.

Minhas músicas favoritas do show foram “Lotus Flower” (como essa música é perfeita, a letra e a melodia me emocionam muito e ver aquilo ao vivo foi muito magistral),“Nude” e “Paranoid Android”. Gravei umas partes no meu celular mas estava tão ligada que ficaram péssimas, ser uma pessoa eufórica não te ajuda muito nos registros, mas que bom que existem os textos.

E como na vida nem tudo é perfeito, gostaria de deixar registrado que senti falta de algumas músicas, como “Creep”, “Karma Police” e minha favorita “I Promise”. Mas está tudo bem, acho que não sairia viva de lá caso contrário. Esse texto é quase como uma carta de amor para Radiohead, eu sei. Talvez você tenha vindo até aqui ler algo parecido com o tradicional onde, como e por que e se deparou com uma menina que foi até o espaço e voltou, um relato muito pessoal, talvez você me entenda, talvez não, mas eu quis de alguma maneira deixar registrado por aqui, um pouco do muito que senti. E fica um convite para conhecerem a banda. Um convite para irem cada vez mais em shows, festivais, apresentações, se conectem com o que vocês amam, junto de outros que também amam. Junto de outros que também sentem e se emocionam. A vida é bela as vezes, as vezes é interessante perceber como existem possibilidades e PEQUENOS momentos, ou grandes dependendo da sua ótica, que te fazem querem deixar algo para posteridade, histórias e registros.

Me conte sobre seu show favorito, me contem sobre as lágrimas e as risadas, e se assim como eu, vocês também abrem uma fenda no tempo e espaço quando estão fazendo algo que amam, escrevam sobre.

Fica um convite para escrever e para conhecer o motivo disso tudo: Radiohead.

Com amor, uma fã.

Playlistzinha de algumas músicas pra vocês curtirem :)


Siga a Divisão Paralela nas redes sociais! Facebook e Twitter

Postagens Relacionadas

Comentários

Postagens mais visitadas