quarta-feira, 7 de junho de 2017

The Lie of the Land não é ótimo, mas une perfeitamente 1984 com Múmias


Qual foi a minha surpresa ao ver que a trama de finalização do arco dos Monges é uma distopia? No episódio anterior tivemos uma decaída na narrativa, porém agora, há uma retomada de construção de personagens extremamente interessante. Essa porra é praticamente 1984 com múmias - o que é ótimo.
Caso você ainda não tenha assistido o episódio, ao final de The Pyramid at the End o the World tivemos um cliffhanger que colocou não só o Doutor e a Bill em uma enrascada, mas a humanidade inteira. Agora ficamos sabendo o que aconteceu após os Monges virarem soberanos da Terra. 

Em minha humilde opinião, esse é o melhor episódio de Pearl Mackie, tanto por conta da construção de sua personagem quanto por sua atuação. Tê-la como foco, a dita normalidade ou visão comum do extraordinário, contra os cara-de-cu foi ótimo, pois vimos todo o sofrimento de alguém legitimamente ingênuo. 
Esse episódio me lembrou as histórias da Donna e do Tennant, e até a dinâmica do Capaldi com a Bill me soou semelhante - claro, com os próprios pontos originais. Desculpa aos fãs da senhorita Clara Oswald, reconheço que ela tem episódios incríveis, mas de longe, Bill já é uma companion melhor. Aliás, vejo ela como uma mistura da era RTD. Há um pouco de Martha, um pouco de, como já dito, Donna e um pouco de Rose. Já percebeu como as companions da era Moffat sempre orbitam em torno do Doutor, tendo suas vidas pautadas por isso, enquanto as do Russel T Davies têm uma vida própria e tomam atitudes diferentes? Assim está sendo Bill: diferente. Não é o seu amor pelo Doutor que salva o dia, mas a lembrança fictícia de sua falecida mãe.


Sobre os cara-de-cu, ao mesmo tempo que gostei do que eles representaram, achei que eles poderiam ser um tanto quanto mais ameaçadores. Okay, tem toda a ideia de "olha eles são ditadores e estão matando pessoas", mas seria interessante ver um pouco dessa crueldade em cena. Claro, não tão explícito (DW ainda é uma série para a família), porém ainda sim impactante. Não teve isso, o que me causou a impressão de que os Monges não eram tão perigosos assim e até meio bobocas. Eles invadem a Terra para fazer o que qualquer comunista ou nazista faz? Não me parece a atitude de uma raça tão inteligente. E o modo como o Doutor "venceu" ele? Muito simples. Esse conflito do mecanismo de memórias é sim muito interessante, mas teve que ser apressado ali perto do final (o momento da invasão e o decorrer do conflito). Por sorte, a direção é muito boa, visualmente criando um arco único, cheio de referências (notei até uma pegada V de Vingança), que desenvolve a Bill de uma forma ótima. No final, tudo vale a pena por conta da cena piegas em que ela salva todos pelo amor. Vimos essa pieguice em Oxygen, mas aqui há toda uma construção - era disso o que eu estava falando! A tristeza de Bill como orfã desde o primeiro episódio, cria uma catarse emocional que esmaga qualquer opressão na resolução do capítulo.

o Doutor visitando a CNN
Sobre o Capaldão, já sabem que vou dizer que ele está incrível né? Cada dia mais louco (literalmente). Isso me faz pensar sobre o próximo Doctor. Provavelmente vai ser um Doutor pirado, pois é por esse caminho que o Capaldi tem andado. Ele começou totalmente racional e questionador, agora está bastante hiperativo (mas longe de ser um Matt Smith da vida, que fez o caminho contrário). Nardole realmente foi uma ótima aquisição ao grupo, com uma comédia no ponto certo, sem ser evasiva ou exagerada demais.

Por fim, como eu disse no post anterior, essa conduta de episódios fechados tem suas vantagem pois os erros do que houve não influenciam o futuro e cada autor pode criar mais livremente. Se analisarmos, tivemos três histórias distintas, ligadas só pela figura dos monges. Primeiro a trama a la Dan Brown típica do Moffat, depois uma trama política que só faltou ter a Unit, e agora uma pegada mais diáfana, quase um livro distópico encenado. Falando nisso, vocês sentiram essa vibe? Para mim foi como se fosse um livro. Eu visualizei até a narrativa de um spin-off onde o mundo caiu nas garras de ditadores alienígenas e o Doutor virou um vilão (já imaginou um Entre a Foice e o Martelo de DW?). 
Já coloco aqui a cena do Capaldi com a Bill discutindo no navio como uma das melhores não só da temporada, mas da série. Bill tem argumentos interessantes e sabemos que ela está "certa", mas o Doutor, em toda a sua atuação, está errado? Claro que não. É perfeitamente plausível tudo o que ele falou sobre os humanos, tornando a situação mais complexa e consequentemente foda.

Capaldão batendo um papo com o Roberto Marinho
Anyway, se você ficou puto comigo por ter falado mal do episódio anterior e comparados os Monges ao Silence ("hurr durr nada a ver. Piadas e ironias têm que ser perfeitamente iguais a realidade"), pode ficar feliz, pois eu adorei esse episódio, mesmo com um defeito aqui ou ali (nem sei se são defeitos, mas pontos que poderiam ser melhorados). Entretanto, todos esse pequenos pontos estranhos são esmagados pelo ótimo conceito, nos dando uma aula de comunicação e história (como uma distopia bem feita deve ser).

El Psy Congroo.

Ps¹: Missy sempre arrasa né? Essa redenção dela tá prometendo muito. Se faltava sal nesse caldo distópico, ela não só temperou como queimou tudo.

Ps²: esse episódio é a definição de "pós-verdade", eufemismo para mentira. Os mais atentos podem até pegar uma crítica à mídia. E claro, a relação com Extremis a respeito da percepção de mundo.

Ps³: se você não gostou desse episódio, é perfeitamente plausível. Ele tem muitos furos que eu passei o pano. Se fosse para ser minucioso aqui, não ia sobrar nada. MAS a emoção falou mais alto.

Nota: não é um Don't Blink, mas ao longo do tempo pode se tornar um episódio lembrado com carinho pelos fãs.

*atenção vacilão, a coluna impressões não é feita de críticas, mas opiniões pessoais, algumas vezes exageradas, outras vezes cômicas. Como dito, aqui são apenas impressões; a visão inicial imediata superficial sobre o episódio. Não leve tão a sério*

<<< Leia as impressões do episódio anterior!

Nos siga nas redes sociais! Facebook e Twitter

Postagens Relacionadas
Seja o primeiro a comentar.

Postar um comentário