quinta-feira, 18 de maio de 2017

[Acompanhando] Doctor Who: Oxygen, um episódio superestimado

O que falar desse episódio? Impactante, com certeza, mas indo contra a maré, não o acho  incrível.

Vamos lá: talvez o meu problema seja mesmo a pretensiosidade. Toda vez que Doctor Who assume uma faceta pretensiosa para abordar certos assuntos, eu acabo meio que esperando algo acima do normal - e não foi o que tivemos aqui. O problema não é nem pretensiosidade, já que a saga inteira do Matt Smith é uma puta saga pretensiosa (por pretensioso entenda como "grande"; episódio que manda uma linda mensagem para a humanidade), mas o modo como o episódio é construído.
Permeando ainda na simplicidade, a série dessa vez resolveu ir ao espaço contar a trama de uma equipe que é assombrada por astronautas  zumbis. Não demora para o Doutor e a Bill acidentalmente chegarem ao local.
Meu maior problema com Oxygen não é a proposta, mas as personagens. Ao meu ver, mais uma vez temos personagens vazias que não existem enquanto pessoas, apenas como objetos de andamento da trama. Um episódio parecido é o The Satan Pit;  okay, releva-se que este teve mais episódios para trabalharem os personagens, mas ainda sim, a trama é parecida, só que nós faz importarmos com cada pessoa. Mais uma vez, eu via os tripulantes apenas como descartáveis. E de fato, eram.
Não seria mais interessante se tivéssemos um drama para causar mais impacto? Do contrário fica parecendo apenas um episódio para iniciação da Bill no espaço, com uma típica resolução clichê. Foi impactante ver Bill aparentemente morrer? Sim. Mas tudo se dissipa ao vermos uma explicação qualquer para a sua sobrevivência.


Em contraponto a essa narrativa clichê e insossa (achei até pior que Sleep no More), temos um Doctor a todo o vapor, com tiradas ótimas e a Bill servindo como ponto comum; ele parece estar cada dia mais louco, enquanto tem uma companion extremamente vulnerável (diferente da Clara). É até um pouco triste que ainda não tivemos um episódio realmente estupendo - Capaldi e Pearl em uma próxima temporada arrasariam.

Também não gostei do otimismo (aí é uma análise pessoal); pareceu-me algo forçado para dar final logo ao enredo (assim como Smile). A ideia de que uma rebelião poderia acabar com o capitalismo... Bem, não me desceu. E se realmente acontecesse, resultaria em muitas guerras e mortes.
A fotografia está muito bonita, seguindo o clima de terror predominante até aqui. Ressalto, outra vez, como usaram os recursos que tinham para apresentar algo verossímil.

Racismo reverso?
Desculpem, mas para mim esse episódio não foi ótimo. Horrível? De jeito nenhum. Mas longe do que li por aí. É apenas uma reciclagem de tramas que já foram apresentadas de forma muito melhor. É legal a pegada política, mas... É,  soou muito forçado e meloso.
Sendo assim, o que dá importância mesmo ao capítulo são os minutos finais, colocando o Doutor como uma incógnita e continuando a grande trama. A coisa ficará melhor quando chegarmos no Master.

ps¹: a dinâmica com Nardole é ótima! Ele deveria estar mais presente nas aventuras.
ps²: será que o Doutor pretende "abandonar" a Bill?

Seja o primeiro a comentar.

Postar um comentário