Pular para o conteúdo principal

Destaques

Conversa Paralela #1: O amor e a diversidade de Steven Universo

Olá pessoas, bem-vindos ao primeiro Conversa Paralela!

Feminismo: o argumento da objetificação e a influência do erotismo (parte 1)

Bayonetta como símbolo feminista, a mudança do Japão  e a desconstrução de que tudo é machista

Postagem escrita por Juliuz
Um bom exemplo de que os tempos estão mudando, é que até o Japão, que é sempre tachado de retrógrado, vem alterando a forma como a mulher é representada nas mídias. O que mais se destaca pra mim foi o rework de Uchuu Senkan Yamato.



Yamato é um anime muito antigo, mais antigo que provavelmente todos os animes que você conhece. Ele começou a ser exibido em 1974 e é lembrado como um marco na história da animação japonesa por introduzir temas mais adultos que já estavam presentes há anos em mangás, porém ainda não tinham feito seu caminho até a mídia do anime. Como toda arte reflete sua era, Yamato tinha só uma personagem feminina na tripulação, uma enfermeira que era usada para alívio cômico, fanservice e depois virou a esposa do protagonista. Um uso bem fraco da personagem mesmo.

 Yamato clássico

No novo anime a coisa muda muito. Ela não é mais enfermeira, mas sim uma espécie de oficial de alto escalão na nave, colocaram todo um novo enredo sobre a personagem e sua relação com os ET's. Fizeram ela ser muito mais independente e arrisco dizer até pró-ativa em sua interação com o protagonista. Fora ela, foram introduzidas várias personagens femininas na tripulação da Yamato, dando destaque a piloto de caça Yamamoto Akira - que não foi designada a essa posição, mas convenceu seus superiores que ela seria melhor como piloto ao mostrar suas habilidades com uma nave.
Traços machistas ainda estão presentes, por exemplo, os oficiais masculinos da nave usam roupas normais e as femininas uma espécie de roupa colada, obviamente estão se aproveitando para fazer um fanservice aqui e ali porque com essas roupas sempre que tiver um ângulo por trás fica uma bunda definida. Entretanto, como venho dizendo, até que nível isso afeta a obra? Não é aquele fanservice exagerado de toda hora ter uma mulher pelada, acidentes vantajosos para o homem que acaba em posições inexplicavelmente bizarras ou algo do tipo. Yamato é, apesar de seus traços machistas, um dos maiores clássicos da animação japonesa, e não vai perder o que fez de bom por conta disso.


Curiosidade: Yamato clássico foi o primeiro trabalho de Hideaki Anno, criador de Evangelion, no mundo da animação. Ele diz que até hoje o Yamato clássico é seu anime favorito.

O argumento da objetificação da mulher

Esse sim é o argumento mais vomitado sem nenhuma ressalva. Vamos lá, do que se trataria isso? Em termos gerais seria a visão de um indivíduo como nada além de um objeto, no caso a mulher, sempre levado a algum teor sexual, porém também se refere a quando uma mulher desempenha uma papel "inferior" que espera-se que seja de responsabilidade dela.

O problema com esse argumento é o quão generalista ele é, porque ele nunca passa da análise da imagem, constituindo uma compreensão muito superficial do assunto, que depois geram alegações bizarras e incoerentes do tipo "TA VENDO ELE DESENHA MENINA DE MINI-SHORT, NÃO PODE ISSO NÃO, DESRESPEITO COM A MULHER" aí você vai em uma rua do Rio e tem muitas meninas de mini-shorts e o argumento vira "PARABÉNS VOCÊS ESTÃO EXERCENDO SEUS DIREITOS DE USAREM A ROUPA QUE QUISEREM", tipo, hã?.

E quando eu descobri que a Mai Shiranui se veste assim para distrair oponentes do sexo oposto? Bela desculpa SNK

"Combater a objetificação é, portanto, mostrar para as mulheres que elas são indivíduos completos e capazes, que podem ser muito mais do que objetos de prazer masculino. O primeiro passo para isso é identificar atitudes que reforçam essa cultura e combatê-las no dia a dia"

Definição tirada daqui: http://www.politize.com.br/o-que-e-objetificacao-da-mulher/

Não tenho muita coisa pra reclamar nessa afirmação, porém, essa última frase de uma definição de objetificação acaba contradizendo o que foi dito antes, pois afirmava que se há presença de sensualização, automaticamente temos mais um monte de coisas, incluindo o desrespeito da situação da mulher como individuo, sendo que não necessariamente personagens sensuais não são vistas como indivíduos também. É possível quebrar esse argumento com uma palavra: Bayonetta.


A Bayonetta não é só sexualizada, ela é HIPER-sexualizada, sempre usando roupa colada, com poses sensuais. Porém ela nunca se sujeita a ninguém, faz o que quer, é a pessoa mais poderosa do enredo e sempre mostra que da pra chutar uma bunda usando salto alto; ela carrega o nome do jogo, tudo que acontece ali é sobre ela. De acordo com a definição desse site que condiz com o que a maioria das pessoas entende de objetificação, a Bayonetta como personagem é danosa pra sociedade, ela estabelece padrões que ferem a auto-estima da mulheres criando noções irreais e deturpando a visão dos homens, o que gera preconceito!

"Uma vez que o julgamento inicial de uma pessoa se dá pela aparência, existe uma expectativa do que é bom ou ruim, certo ou errado e, consequentemente, a exclusão e depreciação de mulheres que não atendem a esses padrões"

Pera lá, quem julga pela aparência mesmo? Quais são os dados que apontam que todo mundo que olha pra Bayonetta vê ela assim? Ou você está dizendo que por termos mulheres "objetificadas" nas mídias artísticas, as mulheres são tratadas de forma desigual em situações do mundo real? Se for assim é claro que a causa para as guerras no mundo é Counter Strike, não foi Mark Chapman quem matou John Lennon, mas o Apanhador no Campo do Centeio, um livro que ele carregava para todos os lugares como uma bíblia. Da mesma forma que quem joga Bioshock se torna um especialista em teorias políticas e física quântica sem nunca ter estudado o assunto!


Justamente por ser uma argumento superficial e generalista, a esfera dele só consegue analisar a imagem. Qualquer um, mesmo que não saiba inglês, ao jogar o jogo entende que a Bayonetta é uma personagem muito poderosa, não leva desaforo pra casa e ainda faz piada dos seus inimigos. Antes de jogar o jogo também cai nessa falácia achando que ela era só fanservice, porém conhecidas minhas tinham um respeito muito grande pela personagem e eu pensando "ué, mas ela não deveria gerar repulsa em mulheres?" e a resposta que recebi foi algo do tipo, "Ela é sensual, mas é uma mulher que mata um demônio dando chutes com um salto alto, e isso é foda pra caralho". Pensando a fundo começou a fazer sentido, ela não é só sensual, ela é sensual e é foda pra caralho ao mesmo tempo em praticamente todas as cenas que ela aparece no jogo.


Faz sentido dizer que sensualizam mais a mulher porque existe um domínio masculino na maioria das áreas da sociedade, e que estamos muito mais acostumados a ver isso, o que acaba gerando uma sexualização muito mais explicita e exagerada, porém, não é como se não existisse a sexualização do homem, e nem todo tipo de sexualização serve o mesmo propósito. No caso eu só estou falando em relação entre sexualização e obras do meio artístico, propaganda merece uma análise só pra ela que não estou disposto a fazer. Enfim, como eu disse antes sobre Galactic Heroes, a forma como uma mulher é representada mostra o que o diretor quer dizer, no caso da Bayonetta não existe nenhuma "ideologia opressora" envolvida, mas acontece que ela é sexualizada, então por quê? Pela mesma razão que a sensualização nunca vai deixar de existir, porque sexo vende e os profissionais de marketing sabem disso.
Como já destruímos a ideia que sensual=ruim com a Bayonetta, agora vamos discutir porque ninguém reclama de homens sexualizados.
Continua na parte 2

Only Darkness Will Remain.

- Clique aqui e leia mais postagens do Juliuz -

Leia os outros posts sobre o tema:
E quando a representação social está presente nos jogos?
Representação social: até que ponto uma obra deve estar comprometida com a diversidade?
Quem são os guerreiros da justiça social e por que eles estão errados?

Postagens relacionadas

Comentários

Postagens mais visitadas