Pular para o conteúdo principal

Destaques

O terror como punchline humorística em Get Out

O cinema tem como principal função apenas entreter, assim como qualquer outra forma de arte. Você pode dar "n" motivos para uma obra ser boa, mas se ela não entretêm, ela não serve para nada. Tendo isso em mente, eu sinto falta de um cinema um pouco mais descompromissado; eu sinto falta de contos e crônicas sinceras, coisas que só vemos em produções independentes que em sua maioria se quer chegam por essas bandas. Portanto, ver um filme como Corra fazendo sucesso tanto entre o público de nicho e o público geral, acabando por ser exibido com certa relevância, chega a emocionar. Não que isso automaticamente torne o longa bom, mas é que a sua proposta é tão simples e ao mesmo tempo tão cheia de nuances e propósitos, que é difícil não torcer para que dê certo. Corra deu certo e não só isso, é um respiro no gênero tanto de terror quanto de comédia. Ele não é inovador, mas a sua exótica combinação de gêneros culmina em uma história bem executada, sem a necessidade de ser megaloma…

Game of Thrones 6x10: Leia três opiniões diferentes sobre o último episódio da temporada (parte 1/2)

Os ventos de inverno chegaram a Westeros! Nossos três redatores fizeram um resumão do que rolou no último episódio da sexta temporada, trazendo três análises diferentes 

[Maeister] Eu demorei para escrever minha análise. A ideia era ela sair logo no domingo ou segunda-feira, mas não consegui se quer escrever uma palavra. Por que? Bom, eu estava confuso. O último episódio de Game of Thrones me deixara com gostos bons e ruins. A emoção tinha sido enorme e me vi envolvido naquela trama, mas ao mesmo tempo, logo depois que subiu os créditos, me perguntei: o que eu acabei de assistir? E é essa pergunta que poucas pessoas estão fazendo. Depois de uma boa reflexão, o gosto bom se diluiu , até sobrar majoritariamente um sabor amargo - enfim, minhas suspeitas estavam certas.
Quem acompanha o [acompanhando] (linda redundância, obrigado. de nada), sabe o quanto eu temia o maniqueísmo em GoT e quantas vezes fui surpreendido por uma trama diferente daquela que eu imaginava. Tivemos incríveis episódios, como The Broken Man ou recentemente a Batalha dos Bastardos, que levaram a série de volta às suas origens e prezaram por uma boa direção (ainda que o roteiro estivesse fraco).
Sendo assim, na noite de domingo me senti um louco. Diversas pessoas exaltavam essa sexta temporada, algumas disseram que foi uma das melhores - olha só. Fui pesquisando mais e mais, a maior parte dos meus amigos vangloriavam e até aqueles mais chatinhos, se renderam ao charme da HBO. E eu continuava ali, estupefato, insatisfeito com a maior parte das coisas que vi.
Pensando nisso, para não parecer um velho babão, resolvi chamar a equipe da DP para comentar o episódio. Já que eu estava tão incerto e me sentindo como um adulto na Terra do Nunca, a melhor escolha foi buscar a ajuda de terceiros. Assim, você poderá ler não uma, não duas, mas três visões de The Winds of Winter. Cada qual seguiu a própria estrutura de análise e devo enfatizar que ninguém leu a análise do outro antes ou durante a escrita da postagem.
Let's go conversar mais sobre este belo episódio.

_________________________________________________________

Gelo e fogo: O inverno chegou e trouxe... fogo vivo!?

(por Gabriel Marsh)
O episódio foi, além de épico, o melhor episódio da série. Claro, devemos agradecer o diretor Miguel Sapochnik que também comandou o episódio anterior The battle of the bastards e os episódios The Gift e Hardhome da quinta temporada. Valeu Miguelito, volte sempre que quiser! Hahaha
Bom, vamos começar falando do episódio por completo e depois pelos núcleos. O que foi aquela trilha sonora clássica em porto real!? A música acompanhou praticamente todo o núcleo da cidade e pareceu que eu estava assistindo um thriller de suspense fodasticamente intenso. E o plot de Winterfell com o tema de abertura da série bem baixinho acompanhando os nortenhos apoiando os Starks novamente foi vibrante. A música de fundo, o fechamento de vários núcleos e a passageira vitória dos Starks (depois de seis temporadas só se fodendo) foi o que me fez colocar o episódio no topo dos melhores.

Porto Real

CABUMM. Essa palavra, não encontrada no dicionário português, simplifica os acontecimentos de Porto real. Para quem pensou que o I choose violence de Cersei seria apenas esmagar alguns pardais, estava terrivelmente errado. Além de torrar alguns pardalzinhos, ela também dizimou os Tyrell da série, deixando apenas a vovó dos espinhos, e consequentemente assinou o suicídio de seu filho que se matou logo depois de ver o Septo de Baelor em chamas. Quem diabos segue uma criança desconhecida por becos e vielas até ficar em baixo da cidade e mesmo assim não acha nada estranho? Sem contar a música de fundo de suspense, será que Lancel Lannister não ouviu? Além de burro é surdo.  Cersei definitivamente está louca e seu irmão Jaime percebeu isso quando viu ela sentada no trono, então acho podemos esperar um Regicida renascido na próxima temporada? Pois a irmã perdeu o importante exército Tyrell que era os únicos homens realmente forte que eles tinham na guerra até agora. Sem a ajuda dos Boltons e dos Freys (que logo logo serão mortos), os irmãos já perderam essa guerra, agora só nos resta esperar qual será o final para eles.
Margaery morreu junto com a sua beleza e seu plano, o qual não conseguiu desenvolver a tempo de salvar sua família. Olenna conseguiu se salvar, indo correndo para Dorne...

Dorne

...onde conseguiu o apoio de Ellaria e das Serpentes de Areia. Agora que os únicos Tyrell que apareceram na série estão mortos, tirando a vovó, acredito que na sétima temporada veremos mais a Campina. Personagens que até agora não apareceram, ganharão importância. Como o Willas Tyrel, o aleijado e Garlan Tyrell, o galante, os dois filhos restante de Mace Tyrell. Mesmo que o Núcleo de Dorne tenha sido um coco na última temporada e no primeiro episódio desta, eu achei incrível a pequena participação do plot dornês no último episódio por questões políticas. A casa Martell e a Tyrell que de muito tempo são inimigas mortais por vários motivos, principalmente porque o Oberyn aleijou o herdeiro deles –Willas-, se juntam para uma vingança contra os Lannisters. E claro, como Varys não é nada besta apareceu com o discurso de uma nova Rainha Targaryen e que ela traria vingança para as duas casas caso conseguisse apoio delas...

Meereen

...E conseguiram! No final do episódio, vemos claramente o tão esperado retorno da Dany para Westeros, com navios das casas Greyjoy, Martell e Tyrell. Muita gente reclamou que foi forçado e que os personagens viajaram muito rápido de Dorne para a cidade vermelha e blá blá blá. Mas analisando corretamente, dá para perceber que ocorreu uma certa passagem do tempo nesse pedaço aí. Não dava tempo de os produtores colocarem no episódio a viagem dos personagens, até porque não teria relevância e nem história pra contar, assim ficaria naquelas de contar piadas e os fãs falariam que D&D estão enchendo muita linguiça. Então parem de mimimi e aceitem.
Dany teve que deixar o cara que foi seu crush por várias temporadas para comandar a cidade, ela podia até gostar de Daario antigamente, mas foi ele começou a ser um fardo depois que fizeram o recast do personagem (brincadeira kkk). Podemos analisar que foi uma das poucas decisões que ela tomou politicamente correta. E a cena dela com o Tyrion deixou muitos fãs com os olhos marejados, foi lindo de se ver eles entrando em ritmo westerosi e o anão se tornando a mão da rainha, proclamando sua total confiança nela. Mal sabe a Khaleesi que seu sobrinho está...

Winterfell, Bran e Torre da alegria
...em Winferfell. Será que terá uma treta de poder entre eles? Particularmente eu acho que Westeros se dividirá em dois, o norte sendo comandando pelo Jon e o Sul pela Dany. O que será que Benjen vai fazer agora? Vimos que ele é um cavaleiro solitário e parece que está morto, mas como consegue falar e se locomover normalmente sem os olhos azuis? Difícil dizer. A cena da torre da alegria que o Bran viu foi legal, mas poderia ter sido muito melhor e mais elaborada. Eu também não entendi porque a Lyanna sussurrou no ouvido de Ned, pode ser que os produtores queiram fomentar várias teorias até a próxima temporada, porém já foi confirmado (com árvore genealógica e tudo) que o Jon é realmente filho de Rhaegar.
E falando no The king of the north, vocês notaram que ao invés de ajoelhar, os nortenhos levantaram suas espadas? Quando o Robb se proclamou rei, todos ajoelharam e deu no que deu... nortenhos supersticiosos. Lyanna Mormont como sempre mitando em cada episódio que aparece, essa linda. A cena em Winterfell foi emocionante, os Starks de volta e com a musiquinha tema de fundo para acompanhar fez meu coração pular junto com a vontade de gritar The king of the north com os nortenhos. Mindinho, após o milionésimo toco de Sansa, ficou parecendo um adolescente com cara de cocô de dragão. Quando todo mundo estava festejando e gritando, ele ficou sentado observando. O que será que ele vai fazer? Eu conheço esse cara e ele não gosta de perder, agora só nos resta torcer para que ele não foda mais com os lobos do norte. A propósito, pela lei de Westeros, os bastardos não podem usar o símbolo de seus pais como seu, ao menos não da mesma cor. E o símbolo dos Starks é um lobo cinza em um fundo branco, se o Jon inverter ficaria um lobo branco com fundo cinza, fazendo referência ao Ghost. Ou se utilizar o símbolo de seu pai, ficaria um dragão de três cabeças preto com o fundo vermelho e ele seria o mais novo Blackfire. Enfim, os lobos estão formando a alcateia novamente, só faltando o Bran...


As Gêmeas

...E a Arya, que acredito que logo estará em Winterfell. Arya, após uma finalização mal explicada em Braavos, volta com tudo e ainda com o poder de trocar de rosto. Finalmente alguém matou aquele velho Frey, que é tão chato quanto o seu personagem em Harry Potter, o Sr. Filch. Gostei bastante da referência à história do cozinheiro Ratazana, que era um cozinheiro de um castelo da patrulha da noite (Fortenoite) e que cozinhou para um rei Ândalo um empadão de bacon com um ingrediente especial que era nada mais do que o filho do rei. Arya deve ter se inspirado na canção que até hoje é cantada em Westeros sobre esse homem. Grande Arya! Veremos como o exército Frey será dizimado na próxima temporada, terá tantas tortas que nem o...

Vilavelha

...Sam Tarly vai conseguir comer. E falando nele, pensa em um menino (EU) que ficou maravilhado com a biblioteca da cidadela? Aquilo ali vai ser o paraíso pra ele. Mas eu senti que eles levaram o plot dele de barriga essa temporada, não foi tão bom e apareceu pouco. Acho que pra série até agora, só serviu para ter mais uma espada de aço Valiriano. Espero que na próxima temporada eles utilizem o ator Jaqen para desenvolver o plot do Sam, até porque o ator é muito bom e o personagem não é de se jogar fora. Sem contar que o Plot dos livros me parece que vai ser muito importante nos últimos dois livros.

Conclusão
É isso. Para aqueles fãs que estão reclamando da série pois não tem nada a ver com o livro, eu recomendo não interligar as duas obras. Sei que um é baseado na outra, mas são em mídias diferentes, e é claro que será diferente em muita coisa, até porque o universo d’As crônicas de gelo e fogo é enorme. Senti falta e curiosidade de ver o que o Euron está aprontando e também como que a patrulha ficou após a saída de Jon, temos que esperar até ano que vem para saber tudo. E peço obrigado mais uma vez para o Miguelito por dirigir o melhor episódio, da melhor temporada, da melhor série! Nos vemos na sétima temporada, até a próxima!

Valar Morghulis.


_________________________________________________________________________

Game of Thrones se tornou previsível

(por Juliuz)
Game of Thrones se tornou previsível, não me entenda mal, isso não é algo necessariamente ruim, mas dificilmente é algo bom também. Veja bem, uma das maiores qualidades de GoT antigamente era o impacto das reviravoltas - lembro que na época fiquei fascinado com a série quando vi o Casamento Vermelho, afinal, eu não via spoiler em lugar nenhum e nunca tinha nem tocado nos livros. Essa temporada teve algumas cenas muito boas, mas eram tão esperadas que nem consegui me surpreender tanto assim.
A parte do episódio que eu mais gostei com certeza foi o enredo de Porto Real. Faz muito tempo que a Cersei é um dos meus personagens favoritos, e nesse episódio ela superou minhas expectativas. Eu esperava que ela explodisse a porra toda, mas se proclamar Rainha ao matar TODO MUNDO, isso foi um adição ótima. Sem contar que um observador mais atento vai perceber que a Cersei mudou, ela sempre foi uma personagem detestável que faz muito merda, mas percebam que não a vimos chorando a morte do Tommem. Ela está se acostumando com sua própria loucura e aquela cena dela entregando a fanática pro Montanha foi muito legal (Berserk feelings). Uma pena que GoT não pode mostrar tanta violência gráfica, imagina se aquela personagem voltasse depois toda deformada pela tortura, como uma espécie de Griffth?
Mas nem tudo são rosas, sinto dizer que aconteceu um efeito batata com uma das personagens que eu mais gostava: a Margaery. Ela morreu sem explicar o que estava querendo ao concordar com o Pardal - sempre pensei que era uma espécie de plano dela para minimizar os danos; que ela estava traumatizada depois de ficar presa. Vocês querem que eu realmente acredite que ela se converteu? Ela que viveu sob a tutela de uma mulher que conhece o mundo como ele é, iria se voltar contra tudo que a vó dela a ensinou em prol da fé? Achei que ela sabia que na política o único Deus é a sua vontade, e só a ele você deve satisfação. Infelizmente ela teve uma morte sem valor e idiota igual o Stannis, que se tornou um personagem muito cego e burro antes de sua morte. Maldito efeito batata, acabando com personagens sem razão clara.


Comecei bem otimista a parte da Daenerys, afinal, quando foi a última vez que ela tomou alguma decisão boa como monarca? Mas ainda assim tinha algo errado, não houve desenvolvimento o suficiente no relacionamento dela com o Daario para que eu sequer me importasse com aquela cena, o que difere muito das cenas com o Jorah, um homem que nem tocou nela, mas que a deixou lacrimejando e visivelmente abalada. Ainda por cima, no final das contas quem a motivou a tomar essa decisão foi o Tyrion, ou seja, se não fosse ele, a Dany levaria o amante junto. É sempre essa a impressão que a Daenerys me passa, uma figura idolatrada como um tipo de Deusa, mas que é incompetente em muitos aspectos. Entretanto, o pior não foi isso, pera lá, desde quando o Tyrion é tão emocional e também partilha dessa devoção quase religiosa pela Daenerys? Durante a conversa deles ele diz como acredita nela, como ela é super mega blaster e que ele vai a servir. Isso ficou vazio tendo em vista todo o enredo do Tyrion como uma pessoa cética, que sempre teve problemas com autoridade, aliás, ele é um cara bastante traumatizado, mas a série não faz questão de nos lembrar isso, o Tyrion nessa temporada esteve de boa na lagoa seguindo em frente extremamente bem, já o Tyrion que me foi apresentado anteriormente, nunca seria tão crédulo. A Daenerys errou e eu seria inocente de pensar que ele não pesquisou isso, porém, como a série hoje em dia adotou uma postura maniqueísta, fica difícil tentar vilanizar ela, logo o Tyrion a segue porque ela é a heroína e ela sempre tentará fazer o que é certo. Isso não é o oposto do que o Martin declarou que queria ao escrever os livros?


Neste episódio houveram acontecimentos menores que servem mais como gancho pro que vem a seguir. A situação do Sam e da Arya está incerta, e parece que agora além do Mindinho, ambos Varys e Arya se tornaram usuários do serviço fast travel versão GoT.
Gostei bastante de ver a Arya se tornar uma assassina, apesar da jornada dela não ter sido lá essas coisas, ainda me senti feliz de ver ela fazendo o que sempre achei que ela faria, mas foi tão rápido que fico em dúvida se foi realmente bom mostrar ela assim agora. Todo o aspecto da profissão do sicário parece ter sido menosprezado, seria legal ver o caminho que a levou até o assassinato, colocaria muito mais profundidade na identidade dela como assassina.


O Rei do Norte! Sobre essa parte eu peguei um spoiler e achei que seria uma bosta clichê, porém, ao assistir, só lembrei do clichê mesmo. O que me irrita mais no enredo do Jon é essa imutável natureza honrosa dele. Quando escrevi meu acompanhando, eu disse que o caminho mais vazio para o Jon seria o do herói que faz o bem porque é o certo, que ele se tornaria mais vazio, previsível e chato assim, e é o que está acontecendo. Entretanto não gostei dessa cena pelo Jon em si, achei legal é ver a pirralha calando a boca de todo mundo e o Mindinho desconfortável.
O enredo do Bran como sempre não parece levar a lugar nenhum, além da ideia de “Ajude seu irmão yay!”. Mas isso não é um grande problema, o que fica estranho é essa grande revelação que todo mundo já sabia, esse é um ponto que o previsível prejudicou. Essa cena era tão esperada que não me causou impacto nenhum, se no começo da série não tivessem mostrado esse lugar, a grande revelação seria muito mais chocante, mas não, eles fizeram questão de cutucar a maior teoria dos fãs e depois tratar essa cena como se fosse a revelação do século, que ninguém saberia. Tem outro problema também, essa cena se torna incompreensível para quem não tem conhecimento prévio da teoria sobre os pais do Jon, afinal de contas, muito do contexto do mundo não pode ser explicado na série pela troca de mídia, um meio expositivo como o livro consegue explicar isso muito melhor, e não, as pessoas não tem obrigação de procurar essas teorias, nem ir atrás do livro. Uma série que está sempre num pedestal tão alto precisa ficar dependendo de informações externas pra fazer sentido? Isso sim é uma grande falha, quem não faz ideia de que a Lyana tinha algo com o Rhaegar, teve que procurar na internet a resposta para o que foi aquela cena, e não foi nem uma questão de “eu não entendi”, mas sim de “eu nem sabia”. Admito que tivemos sim algumas cutucadas aqui e ali nesse enredo, mas a cena tem que se fazer entender por si só, afinal, quantos anos fazem que o Robert disse na primeira temporada que mataria todos os Targaryens? E para esse tipo de telespectador, todo esse enredo da Lyanna mencionado poucas vezes pode ter passado totalmente fora do radar.


A qualidade técnica da série ainda está impecável, mas desde a última temporada não consigo me prender a GoT, espero que as minhas suposições e as do Maeister estejam erradas, se não, ano que vem teremos uma série medieval dos bonzinhos lutando contra o malzinhos.

Only Darkness Will Remain.

<<< Clique aqui para ler a parte 2 >>>

<<< Leia a análise do episódio 9 >>>

Comentários

Postagens mais visitadas