Pular para o conteúdo principal

Destaques

O terror como punchline humorística em Get Out

O cinema tem como principal função apenas entreter, assim como qualquer outra forma de arte. Você pode dar "n" motivos para uma obra ser boa, mas se ela não entretêm, ela não serve para nada. Tendo isso em mente, eu sinto falta de um cinema um pouco mais descompromissado; eu sinto falta de contos e crônicas sinceras, coisas que só vemos em produções independentes que em sua maioria se quer chegam por essas bandas. Portanto, ver um filme como Corra fazendo sucesso tanto entre o público de nicho e o público geral, acabando por ser exibido com certa relevância, chega a emocionar. Não que isso automaticamente torne o longa bom, mas é que a sua proposta é tão simples e ao mesmo tempo tão cheia de nuances e propósitos, que é difícil não torcer para que dê certo. Corra deu certo e não só isso, é um respiro no gênero tanto de terror quanto de comédia. Ele não é inovador, mas a sua exótica combinação de gêneros culmina em uma história bem executada, sem a necessidade de ser megaloma…

[Acompanhando] Game of Thrones S6E08 - Ninguém é alguém

Apesar das reviravoltas, episódio começa a demonstrar falta de fôlego da série, resolvendo pontas soltas de forma preguiçosa e previsível


Comentários Gerais

Foi um episódio deveras estranho. Ele veio com a proposta parecida de The Broken Man: enfatizar os diálogos e dar destaque ao realismo, sem mais aquele teor de fantasia exagerada. Porém, ficou deveras cansativo e insólido; como se a cada momento a história real fosse começar e nunca começava. Me senti mais uma vez lendo uma fanfic. Os problemas de ritmo voltaram, não tão fortes como no começo, mas voltaram. Sabe aquela sensação de que não tiveram tempo para adaptar tudo? Então, o problema é que não tem livro pra adaptar - os roteiristas estão livres para criar. Essa liberdade fica perceptível nas telas, ao mesmo tempo que surgem decisões questionáveis de execução.
É estranho Game of Thrones ter problema de clímax, já que a série é pautada nisso e muitas vezes foi genial nesse aspecto. Aqui, o desenrolar aconteceu sem nenhuma construção apropriada e resultou em coisas vazias, quase como se dissesse: "não temos mais o que contar". Será que a série começa a dar seus primeiros suspiros de cansaço? Não havia nada de interessante nesse episódio, os diálogos não se saíram tão bem assim para se sustentarem e as tramas, que tinham tudo para chamar a atenção, foram resolvidas de forma irrelevante.
Não faz sentido você criar uma expectativa em cima de algo e dar-lhe todo um ar importante, com bastante adrenalina, para resolvê-lo como se não fosse nada, levando a história para um lugar previsível e bastante vazio. A distorção de expectativa funciona se você vier com algo muito maior - e não foi o que aconteceu. Já não sei o que esperar dessa série; quando acho que está constante na qualidade, ela surge com um episódio mediano para ruim. Não foi uma ruindade do tipo, "puta que pariu, to bravo demais, por que fizeram isso?", foi mais como, "puta que pariu, to cagando e andando para tudo isso. É estranho demais estar acontecendo desse jeito".

Bom, vamos dar uma olhada nos melhores e piores momentos e ver por que dessa vez a série falhou.

Piores Momentos:

A resolução da trama da Arya


Que final bosta. Sério. Previsível e vazio ao ponto de jogar fora toda a construção anterior. Não faz sentido nenhum a atitude do Jaquen, o ódio da Waif e muito menos a mudança repentina da Arya. Não teve construção adequada para nenhum desses momentos e me senti em um conto de fadas, onde no final a mocinha finalmente se encontra e decide fazer aquilo que deveria ter feito antes. Os produtores viajaram muito. Eu não li os livros, mas li muitos spoilers e sei o quão discrepante foi a jornada da Arya - mesmo assim, eu acreditei, pensei comigo mesmo: "okay, ela está matando fulando. Okay, ela está ficando cega por outro motivo. Decidiram fazer um caminho diferente, vamos ver onde isso vai levar" - e para onde levou? Para nada! Os caras se perderam legal.
Veja bem, todo mundo sabe que odeio quando Game of Thrones se posiciona de maneira maniqueísta ("OH MEU DEUS ARYA É A HEROÍNA!!1!), mas eu entenderia esse final "badass" e decisivo da garota voltar para Westeros, se houvesse construção para tanto. O treinamento dela foi bem bosta e nenhum pouco importante. Por mais que não tivesse como enfatizar, deveriam mostrar como ela aprendeu determinada coisa (principalmente relacionado a cegueira)  e quais suas perspectivas frente a isso. Fiquei feliz no começo do treinamento, mas de repente acabaram com ele e deram seguimento corrido a uma história incoerente. Desvalorizou todo o percurso realizado em Braavos, para dar protagonismo a uma guerra lá na puta que pariu. Sacrificou a personagem, suas dúvidas e anseios, para lhe dar uma carapuça heroica e enfiá-la em um enredo "maior".
Se eu, que não li os livros, estou assim, imagina quem leu? Sinceramente, essa série só está me fazendo ficar mais ansioso pelo sexto livro, para ver como George R R Martin vai resolver essa treta.
Em suma, perdeu-se em tela um valioso tempo valorizando a moça do teatro, para dar a ela uma morte indiferente, que não acrescenta em nada.

Cerco em Correrrio


Outra trama com um puta potencial desperdiçado por decisões malucas. Por que diabos dar tanto enfoque e importância ao Peixe Negro e matá-lo de forma tão bosta? O desenvolvimento do episódio era do Jaime, da Brienne e do Peixe Negro. O foco se deu somente no Jaime e foda-se o resto. Brienne só apareceu para se frustrar e voltar para casa. Como um estrategista militar toma uma decisão tão idiota quanto se matar "por que não quer mais fugir"? Se formos analisar perante a conduta de honra, ele estaria 100% certo em fugir e ir ajudar a Sansa e aliás, com uma grande margem para ganhar a luta dos Bastardos. Não faz sentido nenhum.
Talvez o ponto alto desse enredo, tenha sido o encontro e certa tensão no relacionamento da Briennão com o Jaime, mas de resto, poderia cortar fora, que não serviu de nada. Blackfish protegeu o Castelo por mil anos, para no final, depois de praticamente ser traído por seus companheiros, se suicidar (praticamente).
Outro personagem que não faz sentido nenhum é o próprio Jaime. Ele anteriormente havia crescido tanto, mas tanto, que chegou a ser um dos meus preferidos. Em certo momento, gostei do embate entre ele e Edmure Tully, mas no final ele se resolve com: "Eu amo a Cersei e vou fazer tudo por ela!". Sério mesmo cara? Você perdeu uma mão, se sensibilizou com a causa da Catelyn, virou best friend da Brienne, viu a Cersei agindo como uma filha da puta com você, viu ela fazendo muita merda e conhece de perto os horrores da guerra, para no final decidir que o objetivo da sua vida é esse? Caralho, que bosta. Puta que pariu.
Por que caralhos deram enfoque em coisas que não vão levar a nada e criaram uma tensão para resolvê-la de forma corrida e sem importância? Mesmo problema que o núcleo da Arya. Só não chegaram ainda no nível de Dorne.

WTF Tyrion


O núcleo de Meereen focou a maior parte do tempo também em coisas desnecessárias, mas até que estava gostoso de acompanhar. Estava esperando até onde a trama política iria e para onde tudo isso seria levado. Aos poucos estava acontecendo o desenvolvimento do Tyrion, que diga-se de passagem, tem sido negligenciado na temporada inteira. Mas aí, de repente, sem mais nem menos, estoura uma guerra, o Lannister não faz porra nenhuma, Verme Cinzento até da uma de sabichão, mas nem se mexe e por fim, absolutamente do nada, surge Daenerys tipo Superman, fazendo carão. Vai se foder! Agora vão diminuir a trama política e consequentemente tantos outros personagens (Varys até vazou!), para dar enfoque na querida Khaleesi (a mesma que só conquistou e fez merda. Exatamente nessa ordem). Tyrion mais do que ninguém sabe como lidar com uma guerra e sabe como administrar Meereen, mas decidiram nivelá-lo para baixo, pois a Danny precisava de protagonismo - do contrário, ela não serviria de nada, muito menos seus queridos dragões.

Melhores momentos

Montanha blindão finalmente ataca


É TREZE PORRA!
Não foi da forma que eu esperava e muito menos não começou a verdadeira treta, mas foi lindo demais ver a Cersei dizendo: "I choose violence" e o Montanha arrancando a cara de um dos fanáticos. Tommen não faz sentido nenhum e tá agindo como um babaca, nem vou entrar no quesito se é coerente ou não essa atitude dele (até por que não lhe deram enfoque), mas estou gostando desse atrito da Cersei e a Fé. Ela fez muita merda e está recebendo de volta tudo aquilo que criou. Graças a Cadeira o Alto Pardal Malafaia nem apareceu, to cansado da cara desse véio. Enfim, foi interessante e instigante. Aguardo a resolução dessa trama (e espero que não caguem com ela).

A vingança do Cão de Caça

"o Cão estava muito badass, mas totalmente fora de contexto"
Esperava muito mais do enredo do Sandor Clegane, mas comparado a tudo que aconteceu, foi um dos melhores. O aspecto passado no episódio anterior, era de que ele estava fortemente abalado e possivelmente iria se vingar. Entretanto, ao encontrar a Irmandade Sem bandeiras, percebe que suas vítimas já estão sendo executadas e sendo assim, de repente a trama muda para uma história de comédia. É ótima essa interação com os foras-da-lei, mas senti um descompasso no ritmo - como se fosse fora de hora. Clegane, que tinha passado por tanto e aparentava estar em uma jornada de autodescobrimento e crescimento, foi totalmente negligenciado. Sua integração à Irmandade acrescenta muito para a história, mas foi acelerada, deixando a coisa em si sem importância. Falas bonitas não vão me fazer esquecer quem o personagem havia se tornado até aqui.


Se o capítulo anterior foi de transição, esse se mostrou uma grande confusão de escolhas para a conclusão. A maioria dos enredos foram apressados para levar a um objetivo previsível, arquitetado para resultar em um final megalomaníaco no episódio 10. Segue a regra: se você não pode abordar determinado assunto, não aborde. Eu disse uma vez que Game of Thrones tinha problemas nos momentos de calma e que fui surpreendido em "The Broken Man" pela qualidade - eu estava errado; o problema não são nos momentos de calma, mas quando se precisa resolver os clímaxes. Foi um episódio pacato, com a resolução indiferente de muitos acontecimentos frenéticos. Excessivo e desnecessário, a trama precisava ser enxugada; pena que nada foi feito.

El Psy Congroo.

<<< Leia o [Acompanhando] anterior

Comentários

Postagens mais visitadas