Pular para o conteúdo principal

Destaques

Steven Universo: reflexões sobre o papel educacional de um desenho

Vivemos em um mundo de conflito, onde olhamos primeiro as diferenças e depois as semelhanças. Por essas e outras eu fico feliz de ter assistido quando criança desenhos que falavam sobre alguém excluído por ser diferente. E por causa disso acredito que Steven Universo, entre outros desenhos atuais, são mais do que recomendáveis para crianças e para qualquer um, pois eles possuem uma mensagem que pode potencialmente melhorar o caráter de alguém.

[Analisando Animes] Naruto (clássico)

As qualidades e os defeitos da obra prima de Masashi Kishimoto
Naruto é um mangá criado por Masashi Kishmoto, lançado em 1999 na tão famosa revista semanal Shounen Jump e adaptado para anime em 2002 pelo estúdio Pierrot (Doraemon, Bleach, Tokyo Ghoul). Na história, acompanhamos a trajetória de Uzumaki Naruto, um garoto de 12 anos órfão, que tem como sonho se tornar Hokage (líder de sua aldeia). Entretanto, o pontapé inicial que se dá na história, é a existência da Raposa de Nove Caudas: um demônio poderoso que tentou destruir a Aldeia da Folha, mas foi derrotada ao ser selada dentro do então recém-nascido Naruto. Sendo assim, o protagonista deve aprender a conviver com este ser dentro si, enquanto tenta ganhar reconhecimento e respeito como ninja, enfrentando diversos perigos do mundo shinobi.

Naruto se divide em dois atos: primeiro temos a fase criança e posteriormente a fase adolescente/adulta. Essa análise se prende somente na primeira fase, a chamada "clássica" e tem como foco o anime (apesar de naturalmente surgirem comparações).
O texto abaixo contém spoilers, então se você não se importa ou já assistiu Naruto, let's go ver temporada por temporada.

TEMPORADA 1

Os primeiros episódios de Naruto buscam apenas nos situar sobre o mundo. Ou seja, a maior parte da história são cenas simples, mas que claramente tem a função de explicar o enredo - um ponto muito interessante a se notar: Kishmoto tenta primeiramente construir seu universo, com um sistema de batalhas bastante engenhoso. Então, entendemos o que são os ninjas, quais os tipos de luta, os movimentos básicos e etc. Isso é importantíssimo para um shounen e raro de acontecer no início. Temos, como exemplo, Dragon Ball e One Piece: primeiramente estes dois mostram o magnífico universo em que se inserem, totalmente despretensiosos. Depois de certos arcos, o autor começa a explicar de onde vem aqueles poderes e a lógica por trás. Essa lógica é necessária para tornar crível as lutas em si, pois do contrário, se tornam uma loucura sem sentido (é onde a maioria dos shounens se perdem). One Punch Man, por exemplo, tem como protagonista um ser totalmente supremo - ele derrota qualquer inimigo com um soco. Entretanto, é necessário explicar detalhadamente o sistema de batalha, para haver um parâmetro e sabermos o quão foda Saitama é e o quão foda é aquilo que está derrotando.

Bom, temos nessa parte a criação da equipe sete: Naruto, Sakura e Sasuke, orientados por Kakashi Hatake. Como qualquer história de herói, temos as comuns coincidências, como o fato do trio de amigos cair justamente com um "lendário" ninja que nunca aprovou ninguém, e justamente estes conseguirem ser aprovados (mesmo não tendo nada de especial). A comédia é muito presente e as situações, mesmo as constrangedoras, servem para delinear bem a diferença de personalidade entre os amigos.
Naruto inicia despretensioso, mas já tendo embasamento. O mundo ninja existe independente dos próprios personagens.

Depois de todo esse arco de explicação, seja para mostrar quem é Naruto ou as regrinhas básicas do mundo shinobi, é necessário colocar todos esses conceitos em prática. Aí vem o arco do Zabuza.
Esse arco serve para mostrar finalmente o que Kishmoto quer fazer com a história e pela primeira vez somos inseridos no tal sistema de flashbacks (que posteriormente se tornam uma loucura. Colocaram até flashbacks jogáveis no Ultimate Ninja Storm. WTF?).
Abaixo fiz um compilado mostrando mais ou menos como funciona a estrutura desse arco e dos posteriores:

1- surge o problema: no caso, aqui é a proteção do construtor da ponte. A coisa em si já tem suas problemáticas ao qual todos devem superar.

2- o verdadeiro problema se revela: o construtor da ponte mentiu e o buraco é mais embaixo. O rank da missão é nível superior e a ameaça não é nada daquilo que os jovens genins esperavam. Ou seja, se já haviam problemas, agora a treta ficou séria.

3- embate demonstrativo: Kakashi se defronta com Zabuza e ocorre uma intensa batalha, onde parte do mundo continua sendo explicada, e diálogos ferrenhos vem a tona. Kishmoto sabe criar muito bem personagens e sustentá-los de acordo com a personalidade. Há uma tridimensionalidade bem interessante; nem tudo é tão preto no branco. Aqui surgem as primeiras "superações", onde o time 7 tem que salvar seu sensei.
No final, o embate é encerrado pela metade - a função dele é ser demonstrativo; construir o clímax para a batalha final.

4- diálogos e passado: okay, Masashi ama flashbacks e isso fica evidente. Porém, aqui ainda estavam contidos e bem estruturados. Conhecemos a história de Tazuna e Inari, o que só joga mais lenha na fogueira e coloca em processo uma espécie de superação dos coadjuvantes - como Naruto influencia aqueles que o conhecem.

5- treinamento: ah! O treinamento! Ele ocorre paralelamente ao item 4, e claro, é obrigação em qualquer anime porrada. Continuam-se as explicações, mas de modo nenhum são enfadonhas. Fortifica-se a tal rivalidade entre Sasuke e Naruto, enquanto também tentam vencer o iminente perigo da volta de Zabuza.
ENTRETANTO, para adicionar MAIS lenha nessa fogueira, é criado um vínculo entre o protagonista e o suposto vilão (Haku, personagem que ninguém sabe se é homi ou muié).

6- TRETA!: a briga inicia-se de modo despretensioso e vai aumentando conforme as reviravoltas surgem. No meio da treta temos mais flashbacks e revelações bombásticas, ao melhor estilo novela das oito. O drama japonês é engraçado: em certos momentos é comovente, em outros claramente forçado. Esse arco do Zabuza me alegra, pois é tudo muito crível. Os choros, mesmo exagerados, fazem sentido; a problemática é muito simples: Naruto encontra um garoto igual ele, mas que foi recrutado por um inescrupuloso bandido. Esse poderia também ser seu destino...
As lutas são estupendas. Concordo, há muita falação e didática desnecessária, mas esse lado estratégico combina muito mais. O modo como os embates são construídos em cima do sistema detalhadamente apresentado, é genial! Os personagens devem pensar rápido e agir de acordo com a situação - é quase um jogo de xadrez.

7- Redenção: depois de muita falação e feridas, tem que sobrar alguma coisa. Não basta derrotar o ser supremo - este ser tem que mudar. E claro, as palavras do nosso protagonista são corroboradas e a superação de todos acontece. É o famoso viveram felizes para sempre, mesmo o mundo sendo uma merda e mortes serem necessárias para acontecer esse final feliz - ainda bem que foram dos tais "vilões".




EXAME CHUNIN

TORNEIOS! É claro que não poderia faltar!
Vamos recapitular: tivemos a explicação do mundo, essa explicação em prática, o embate dos genins frente a realidade (onde surge a tão famosa frase: "esse é meu jeito ninja de ser") e a volta à normalidade. O próximo passo é o torneio: aqui poderemos conhecer outros ninjas, da vila da folha e de outras vilas, enfrentando provas surreais de sobrevivência, enquanto se matam. É quase um Cálice de Fogo.
O interessante não é a ideia em si (campeonatos em shounen é o básico do básico), mas o modo como é desenvolvido. Ao invés de focar somente no embate e na problemática do time dos "bonzinhos", temos todo um contexto formado de ambos os lados da luta, que culminam em diferentes estratégias. Sendo assim, as disputas são aproveitadas para construir os personagens e dar tridimensionalidade a eles. Por exemplo, o sujeito da aldeia do som é um cara mal - pronto, não necessitaria nem dar uma história para ele, pois já cumpriu sua função de atormentar o time 7. Entretanto, quando chega sua luta, para não morrermos na bidimensionalidade (Shino por algum motivo sempre foi mal aproveitado), conhecemos sua história e até ficamos com dó - vejam só. Orochimaru é um Michael Jackson à la milícia africana que recruta jovens sem perspectiva de vida - praticamente um traficante. O enredo, em síntese, é o mesmo que o de Zabuza e Haku, mas ganhando novos contornos. Esses contornos acabam posteriormente perdendo força, por se tornarem deveras repetitivos.

Enfim, além das tais disputas, temos a floresta da morte. Ali, o plot sobre a invasão da aldeia da folha começa a ser construído e conhecemos o tão temido Orochimaru. Gosto muito como Masashi trabalha aqui: mesmo dispostos a lutarem, os genins ainda são crianças - e para completar, tem um psicopata atrás deles. Além, claro, da citada estratégia, temos um novo elemento: o terror. Orochimaru é um ninja temido, mas para os jovens alunos é praticamente um monstro. Todo esse mistério nos deixa intrigados sobre qual sua capacidade e quais suas reais intenções. Já na luta contra o terceiro hokage, ele soa como uma criança mimada - diante do líder da aldeia e não de crianças, temos outra representação.


Também não podemos esquecer da estupenda primeira prova! Aquela escrita. TOTALMENTE ESTRATÉGICA. Repito mais uma vez: isso posteriormente fez muita falta. A tensão, os mirabolantes planos, as habilidades de cada um, o trabalho em equipe - tudo fervilhando, enquanto nosso querido protagonista não faz ideia.

TEMPORADA 2

As tretas continuam; a prova chunin não acabou, mas todos tem que treinar; Sasuke some e Naruto conhece Jiraiya. Os treinamentos de Naruto são muito bons, pois se tratam de superação. Kishmoto bate sempre na mesma tecla do esforço e o protagonista é a amostra disso - não tem nenhuma habilidade especial, não é de nenhum clã fodão e muito menos inteligente. Entretanto, é esforçado e vai até o fim para proteger aquilo que ama. Rock Lee sem sombra de dúvidas é um Naruto melhor, mas Uzumaki não deixa de nos cativar. O grande trunfo, é que vemos de perto seu desenvolvimento. Cada passo em direção ao objetivo, parece uma migalha, quase nada. Ele aprende um jutsu aqui, outro ali, depois uma técnica de concentração de chakra e etc. No momento que acontece alguma luta e todo esse aprendizado é reunido, percebemos o quanto Naruto cresceu. O maior exemplo é a luta contra Neji e depois Gaara. Enquanto Sasuke se perde no ódio e prepotência, Naruto não despreza os ensinamentos "pequenos" e assim, se torna mais forte.

O ápice daqui é a luta de Orochimaru contra o Sandaime. Apesar da enrolação, é uma das melhores lutas. Não é dinâmica, nem cheia de socos e pontapés, mas com uma carga emocional intensa, e habilidades além do imaginado. Sejamos sinceros, Orochimaru perto do terceiro hokage é um merda e só perdeu por que Sarutobi estava velho e debilitado - não deixa de ser um embate poderoso, mas que poderia ser melhor sem os "PARA PARA PARA" a la João Kleber, pra ficar dando foco em outro momento. No mangá isso deve ter funcionado muito bem, mas no anime soou estranho. Parecia que o tempo tinha parado e só aquele frame permanecia (depois vamos falar disso).


Ao todo é uma boa temporada, que leva um clima frenético diretamente da anterior. Mas seu trunfo mesmo está nos Sannins. Quando acaba essa loucura de "guerra", tudo volta à normalidade, e vamos entendendo os fatos. De onde está vindo tudo isso? A relação dos três ninjas lendários é muito bem construída e dinâmica. Cada qual com uma personalidade forte e diferente.
Naruto sai de cena e fica apenas como espectador - poderia ser um defeito, mas se torna uma boa qualidade. A luta de "gente grande" é outra coisa e estando os três debilitados, só adiciona mais humanidade e vulnerabilidade. Claro, não vamos esquecer da invocação dos megazords animais, que é puro fanservice shounen, mas sem sair do contexto.
Naruto é sobre pessoas e sentimentos; sendo assim, quando acontece alguma briga, é mais do que socos aleatórios. É Carminha e Nina, ambas escondendo um grande segredo, dando tapas e agarrando cabelo.
Todo o dilema a respeito do que é ser um hokage também é emblemático. Usando da superação dos coadjuvantes, vemos como é difícil ter em mãos tantas vidas. Tsunade por fora parece fria e insensível, mas por dentro tem traumas - como ser líder da vila da folha quando não conseguiu nem mesmo proteger as pessoas que ama?


E no final, a temporada termina com um ótimo gancho: o que será de Lee?
Depois de perder para Gaara, a situação do rapaz é mais alarmante do que o pensado. Talvez toda sua trajetória seja jogada no lixo e o sentido de sua vida acabe ali. A determinação tem sérias consequências.


TEMPORADA 3

Finalmente a rivalidade entre Sasuke e Naruto chega ao ápice. O ninja loiro teimoso vê em sua frente um amigo a qual quer ultrapassar; o depressivo Uchiha vê apenas um obstáculo em sua incessante vingança.
Ao início, a coisa toda entre os dois é aceitável. Claro que é forçada, mas oras bolas, é um mangá de luta, até aí tudo bem. Porém, o dramatismo japonês atrapalha totalmente o desenvolvimento de algo que poderia ser melhor aproveitado. Quando Sasuke foge da vila, a coisa desanda - é tudo muito corrido e desnecessariamente emotivo.
A ideia de desenvolver os personagens por meio das lutas ainda segue boa. Porém, se estabelece por meio de uma forçação de barra ridícula. Não entendo por que caralhos existe a necessidade de dramatizar tanto a história do Chouji: o cara é gordo, sofreu certo bullying e é isso. Enrolação para prender o público? É o que parece. Kiba segue a mesma coisa. A dinâmica do seu combate é simples, mas existe uma contextualização gigante - quase vomitei.
Ironicamente, as lutas que mais gostei desse grupo foram aquelas que focaram na elaboração da batalha em si e na reação dos personagens: Neji e Shikamaru. Com Neji ainda tem toda a coisa dos flashbacks desnecessários e reaproveitamento de cenas, mas mesmo em demasia, no final serve para o personagem provar do próprio remédio (diferente de Kiba e Chouji, que são levados apenas para uma superação artificial). Já com Shikamaru, não tem flashbacks, nem baboseiras - é pura estratégia. Por isso foi a luta que mais me agradou (entre essas quatro).



Claramente depois da saída de Sasuke, temos um sistema de batalhas mano a mano para desenvolver cada personagem. Algumas vezes é cansativo esse vai e vem, mas no final é bem satisfatório. Entretanto, após a conclusão desses embates iniciais, temos as reviravoltas e novas batalhas - para ser mais exato duas: Lee e Gaara contra Kimimaro, e Naruto vs Sasuke.
O enredo de Kimimaro não me cativou nem um pouco - apenas mais do mesmo: outro Haku apaixonado pelo Michael Jackson do momento. O personagem é extremamente vazio e segue nessa linha de forçação de barra. O trunfo é ele estar frente a um personagem tão decidido e completamente oposto (Rock Lee), e outro que se assemelha muito a ele, mas amadureceu ao ponto de perceber que há mais coisas além da escuridão.
Acho interessante esses minions do Orochimaru. Eles são ninjas, alguns com grandes habilidades, mas que almejaram tanto o poder que viraram monstros. De algum jeito, todos eles são nojentos; bizarros. É perceptível que aqueles seres já não são humanos.

NARUTO VS SASUKE

Bom, temos que dividir em dois lados: físico e psicológico.
Na parte física, do quebra pau em si, é uma luta estupenda. Um espetáculo fenomenal da força bestial de ambos: Sasuke com sua marca da maldição e Naruto com a raposa de nove caudas. Temos uma amostra do que Kishmoto faria (e de modo MUITO maior) posteriormente na quarta guerra ninja. Mas eis o problema: as regras que o próprio autor estabeleceu.
Isso me irrita; esses momentos de, "foda-se vamos destruir tudo com nossos super poderes" - parece Dragon Ball (mas a proposta de Dragon Ball sempre foi ser descompromissado; Naruto não). É possível fazer uma luta de gigantes com estratégia, sendo crível - veja a luta de Naruto vs Gaara. O rapaz da aldeia da areia perde o controle, mas existe toda uma explicação dele estar adormecido e necessitar ser acordado para sair do estado de hipnotismo e possessão. As explicações da maldição de Sasuke ficaram lá atrás, na floresta da morte - o que importa é duas feras explodindo tudo, não é mesmo?


Sobre o psicológico, nem preciso repetir né: EXTREMAMENTE forçado. Nunca, nem com mil flashbacks, a relação de Naruto e Sasuke atingiria aquela intimidade. E mesmo que tivesse atingido, não faz sentido essa persistência toda do Naruto em salvar "seu melhor amigo"; muito menos Sasuke em ser o malzão: "quero poderes a qualquer custo HAHAHA".
Tem momentos muito bons, como o conceito de irmãos pelo fato de ambos serem solitários e abandonados; mas não existe construção para isso. A solidão, que sempre foi bem trabalhada, se torna genérica.
Mesmo assim, há ótimos momentos de flashbacks, como a triste história de Sasuke: para mim um dos melhores "contos", por assim dizer, de todo o anime (incluindo o Shippuden). Infelizmente, só torna mais inverossímil toda a atitude "bad boy" do garoto.





Mas a temporada acaba bem. Devo enfatizar Shikamaru, que demonstra seu lado emocional: todos estão frustrados pelo fracasso da missão. A motivação de Naruto coincide com seu personagem, mas não a conclusão. Fica tudo meio que no conto de fadas, "vou trazer o Sasuke de volta, tô certo!" e aí cria-se um clima feliz, mesmo com tanta merda acontecendo. Enfim, ainda sim, achei um ótimo conceito o trio principal seguir rumos diferentes, tendo como mestres os três ninjas lendários. É uma coincidência ridícula? Sim. Mas é um ótimo acréscimo na jornada do herói e na ideia de treinamento.

ATENÇÃO: não considerei os fillers, pois são uma merda e é isso aí.

Personagens

Em Naruto temos muito, mas MUITO personagens. Por isso, separei alguns para falar isoladamente, pois não havia espaço enquanto analisei as temporadas como um todo. Provavelmente esquecerei alguém, então deixe nos comentários quem faltou.

Sakura Haruno: ela me irrita, mas não a personagem em si, que acho condizente com o estereótipo de menina apaixonada, mas o desenvolvimento que o Kishmoto NÃO dá para ela. Há muito potencial mal aproveitado na Sakura, principalmente nessa fase criança. Ela não tem uma história de vida tão elaborada quanto os outros dois companheiros, habilidades especiais e muito menos raciocínio apurado. Ela é uma nerd de informações, mas não de conhecimento. Consegue ganhar um contorno melhor ao final, quando decide ser discípula de Tsunade, mas tudo pelo Sasuke. Em nenhum momento ela faz algo para si e qualquer desenvolvimento maior é cortado.

Melhor cena: cortando os cabelo na floresta. Aquela transição para, digamos, vida adulta, foi sensacional. Sakura se superando para salvar os amigos e tornando-se forte. Pena tudo ser esquecido e ela voltar à sua posição de "dona de casa" (quem viu o final de Naruto pegou a referência).

Kakashi Hatake: um dos meus personagens preferidos. Mesmo sem contexto, toda sua postura demonstra um cara sábio, alegre, calmo e ao mesmo tempo melancólico. Não vou entrar no quesito proporção de poderes (isso fica para um post sobre Naruto Shippuden), mas Kakashi é extremamente inteligente e isso é o que lhe torna poderoso, não as habilidades em si. No mangá, sua história é estupenda e nos dá entendimento de vários "porque's" (essa parte só foi adaptada no anime posteriormente). Enfim, uma das melhores criações de Kishmoto.

Melhor cena: se tratando do anime, escolho o embate com Zabuza. Toda a rivalidade entre os dois e a estratégia, enquanto somos introduzidos a esse novo mundo, é fenomenal.

Hinata Hyuga: Masashi não sabe lidar com momentos emocionais, pendendo para o excesso, e por isso, Hinata é excessivamente apaixonada pelo Naruto e excessivamente tímida. Mesmo assim, gosto muito dela. O seu modo de superação frente ao amado é deveras romântico e inspirador, ENTRETANTO, segue o mesmo modelo da Sakura: poderia ser MUITO melhor aproveitada. A história da Hinata não chega aos pés da história do Neji. Deve ser difícil abordar personagens femininas sem fugir do estereótipo, em um país tão fechado quanto o Japão e em um gênero tipicamente "para meninos" (falamos melhor disso aqui).
Me identifico muito com ela, mas FAZ ALGUMA COISA ALÉM DO NARUTO MINHA FIA (virar dona de casa não vale)

Melhor cena: claro que é na prova chunin. Seu embate contra Neji é um dos melhores.

Ino Yamanaka: existe apenas para impulsionar o desenvolvimento de Sakura. Teria muitas coisas a serem abordadas, ainda mais sendo ela de um clã com jutsus psicológicos (não genjutsus), mas nada é falado. Ela existe, aparece como rival de Sakura, mas não serve para muita coisa. Em um mundo ninja que acabou de sair de uma guerra, é muito leite com pera a motivação da vida de duas garotas ser conquistar o gatão da turma. Enquanto crianças, até entendo, mas depois de tantas tretas, é difícil engolir...

Melhor cena: lutando contra a Sakura. Há um momento de luz ali, quando ela pensa no que vai fazer e cria toda uma estratégia para acabar com a rival. Pena ficar nisso mesmo e terminar em soquinho.

Rock Lee e Guy: Rock Lee é meu segundo personagem preferido e com certeza, um dos melhores de todo o anime. Sua história junto de Guy é muito comovente e mesmo no exagero, não é forçada. Na relação dos dois é reconhecida a loucura dramática.
Só fiquei carente de saber um pouco sobre sua vida, seus pais e etc. Anyway, como eu disse, Lee é um Naruto melhor.

Melhor cena: sem sombra de dúvidas a luta contra o Gaara. Aquela determinação; aquela superação; aquele espetáculo do taijutsu - é muito foda. E já que o Guy está incluso,seu melhor momento é quando salva seu discípulo e chora. A indignação de Gaara, sem entender as relações humanas, mostra um abismo entre os dois lados da batalha.

Gaara: tem uma das melhores, se não a melhor, história do anime. Faz mais sentido você ser do mal quando até seu melhor amigo é um espião preparado para lhe matar. Isso sem contar a loucura que é ter um demônio dentro de si, que 24 horas é desperto por conta da areia. Sua transição para o "bem" também não é forçada e condiz com sua personalidade.

Melhor cena: é difícil, mas fico com a luta contra o Naruto. Apesar de gostar muito do seu retorno protegendo o Lee, nessa cena há toda a questão da resolução de seu passado e todo o rancor guardado.

Jiraiya: nessa fase não sabemos tanto dele, porém percebemos as semelhanças com Naruto. Os flashbacks com Orochimaru atiçam nossa curiosidade.
Mesmo tendo um jeito inconsequente, realmente é um sábio e talvez, se não fosse a missão de cuidar do Naruto (e a preguiça), seria um hokage melhor que Tsunade.

Melhor cena: treta contra Orochimaru. Sapos gigantes são legais.



Neji Hyuga: gosto muito dele e de sua história. Não é um vilão, mas também não é bonzinho, apenas tem a visão deturpada (deve ser por conta do Byakugan, BA DUM TSS!). Conforme conhece mais sobre o mundo e bate de frente contra conceitos que ele mesmo julgava certos, sua transformação ao longo do anime é muito boa.

Melhor cena: batalha contra o cara aranha nojento do Quarteto do Som. Descobrimos que até o melhor kekkei genkai visual tem suas falhas.

Shikamaru Nara: é meu personagem preferido justamente pelo fato de ser racional. É a prova de que os melhores ninjas são os estrategistas, não os que são "gênios" ou tem melhores jutsus, Enquanto a maioria dos personagens vivem no ardor da paixão pela batalha, ele simplesmente dá risada e acha inútil esse exagero de emoções e ações. Sendo assim, junto de Kakashi, é o mais consciente.

Melhor cena: lutando contra Temari. É simples, inteligente e impactante.


Menções honrosas de personagens que não tiveram foco suficiente para uma análise ser feita: Iruka, Kabuto, Kankuro, Temari, Tenten, Asuma, Shino, Kurenai, Konohamaru (mentira, eu só ignorei mesmo) e Itachi.

Nota: os personagens que não estão neste tópico é porque já fiz uma análise enquanto falava das temporadas ou simplesmente esqueci.

Animação

É complicado falar de um anime de certo modo "antigo", mas tenho que dizer: os primeiros episódios não sobrevivem à regra dos quinze anos. A animação ruim aos poucos vai evoluindo, seja no design dos personagens ou dos ambientes. De certo modo isso é bom, já que animes shounen tendem a ficar com a mesma "qualidade" (cof cof One Piece); basta comparar qualquer cena do clássico com o Shippuden, que veremos essa melhora.
ENTRETANTO, há mais problemas do que o desenho em si: reutilização de cenas e frames parados. É uma coisa bem comum a cena ser animada e ficar meia hora mudando apenas o ângulo da câmera para ganhar tempo, mas em Naruto isso atinge outro nível. Escala Cavaleiros do Zodíaco mesmo. O pior é estar atrelado à flashback atrás de flashback, onde muitos nem existem no mangá, mas são usados para ganhar tempo. Toda vez que eu ouvia aquela músiquinha triste, já revirava os olhos. Em determinado momento chega a irritar, pois isso é usado para coisas fúteis: flashback do salgadinho do Chouji é demais né.
Porém, o anime consegue passar toda atmosfera do mangá e criar cenas que eu considerava impossível, de tão bizarro que são no traço do Kishmoto. A trilha sonora é estupenda e um ótimo recurso para não ficar no mais do mesmo: sem a música certa, provavelmente muitas cenas seriam cansativas.

BEST LUTAS

Esse tópico é só pra diversão mesmo, pois é deveras pessoal. Então vou fazer um TOP 5 das melhores lutas e dizer porque escolhi determinado embate. Novamente, vou considerar principalmente o físico e o psicológico. Não basta ser uma luta de golpes graciosos.

Quinto lugar
Rock Lee e Gaara vs Kimimaro

Bom, já falei que não gostei da histórinha do Kimimaro né? Gosto do design do personagem e do conceito em si, mas não do contexto. Anyway, essa luta é foda por duas coisas: Lee bêbado e Gaara poderoso se redimindo. A combinação dos dois ex-inimigos, contra um oponente maior, é muito boa. Mas em termos psicológicos não tem tanto climão, a não ser a morte do Kimimaro, claro.

Quarto lugar
Hinata vs Neji

Essa luta é o ápice do desenvolvimento da Hinata. Primeiramente, na parte física, temos os movimentos do Byakugan. Depois, na parte psicológica, a luta de ramificações entre a mesma família. O conceito de atingir os pontos de chakra, invisíveis a olho nu, dá toda uma nova dinâmica ao combate, que tirando isso, seria normal. É a importância escondida: Neji está dando um tapinha, mas esse tapa pode matar.

Terceiro lugar
Orochimaru vs Sarutobi

É uma luta lenta? Sim. Chata? Talvez. Mas totalmente emocionante. Ver o Michael Jackson ninja sendo tratado que nem criança e tomando um sarrafo do velhote, não tem preço. Sem contar na carga dramática (e cheat filha da puta) que é o terceiro hokage contra o primeiro e o segundo.

Segundo lugar
Tsunade e Jiraiya vs Orochiotário
Se foi gostoso ver ele apanhando do Sarutobi, da Tsunade então, quase gozei.
É um embate de escala poderosa, entre os três antigos melhores amigos. Cada qual tem sua deficiência e sendo assim, temos um corre corre para ver quem atinge primeiro. Então há o psicológico da Tsunade abalado por conta do sangue e da escolha, e uma criativa luta, cheia de movimentos surreais, entre animais gigantes. Melhor que isso só Power Rangers Força Animal.

Primeiro lugar
Rock Lee vs Gaara
Talvez seja a melhor luta do anime contando até com o Shippuden. A impenetrável areia de Gaara conhece o taijutsu incrível de Lee. Tanto o psicológico (a coisa toda da superação), quanto os movimentos (a velocidade e dinâmica entre os dois oponentes), é genial! Uma obra prima. Temos de um lado uma defesa impenetrável e do outro, um ataque perfeito.
E o final, MEO DEUS, faz qualquer marmanjo chorar.

Ps: Ah, esses AMV's antigos, com músicas que não combinam com a cena...

Conclusão

Naruto é um ótimo anime, mesmo com seus altos e baixos. Apesar de lidar com estereótipos e coisas comuns a qual estamos acostumados, é uma evolução do shounen por levar drama e ação de forma diferenciada. A solidão japonesa quase nunca é bem retratada, e não seria diferente em uma obra tão mainstreim. O problema é se perder nos próprios clichês, mesmo que inicialmente tenha uma mensagem mais profunda do que a tão comum, "amigos superam tudo".
A vontade de fogo está em todos os aspectos, pena algumas vezes esfriar. Enfim, vale a pena ser assistido, seja com bastante atenção ou apenas descompromisso.

El Psy Congroo.

Comentários

Postagens mais visitadas