sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

5 Motivos para ler Percy Jackson

A série Percy Jackson & Os Olimpianos foi criada pelo americano Rick Riordan em 1994 e já vendeu mais de 50 milhões de cópias no mundo todo, sendo um grande sucesso de público e critica. Entretanto, em 2010 foi lançado pela nossa querida FOX um filme certamente questionável (PRA NÃO DIZER RUIM), adaptando o primeiro livro, O Ladrão de Raios. Isso fez com que muitas pessoas virassem a cara e julgassem os livros de acordo com o que viram nas telonas.
Pensando nisso, decidi enumerar 5 MOTIVOS PARA VOCÊ LER PERCY JACKSON. Este post serve para você, jovem gafanhoto, que tem curiosidade de adentrar o mundo da mitologia grega em pleno século XXI ou para você, jovem semideus, que já leu e tem saudades dessa tão querida saga.

1- Tem mitologia grega
"Não diga! Sério Maeister? Nem tinha percebido" 
Okay okay, é meio óbvio que Percy Jackson se trata sobre mitologia grega, mas Fúria de Titãs também, não? (entendedores entenderão).
Bom, caso alguém não saiba, Percy Jackson tem a premissa de ser uma série de livros infanto-juvenis sobre mitologia grega nos dias atuais: tudo aquilo que seria lenda, é real. Mas o diferencial não está aí, sim no modo como trabalha tudo isso.
Quem só assistiu os filmes não faz ideia do quão profundo Rick Riordan pode ser. O autor consegue brincar com conceitos bem concretos, trazendo-os para nossa realidade. Além de praticamente ensinar mitologia grega, os livros são totalmente originais, nos imersando em um mundo de monstros e acontecimentos surreais, sem parecer sessão da tarde galhofa ou caricato demais. Resgata diversas histórias, mas não as apresenta meramente mitologia, pois ainda estão acontecendo e assim, vamos descobrindo todo esse universo, junto de Percy, o personagem principal.

Riordan trás para si as antigas histórias gregas e consegue criar livremente em cima delas, sem desrespeitar o original, mas também sem ser engessado ou clichê demais. 
Com certeza, depois de Percy Jackson, você passará olhar a mitologia com outros olhos.


2- Os personagens são diversos e bem explorados
Por ser voltado para crianças e adolescentes, o grande problema da maioria dos infanto-juvenis muitas vezes são os personagens rasos e/ou mal desenvolvidas. Esse é um problema que aconteceu até mesmo com Harry Potter, a saga literária mais vendida do mundo.
Entretanto, PJ consegue apresentar personagens muito diversificados, cada um com uma personalidade e história diferentes, sendo bem desenvolvidos. Vemos isso melhor ainda na série seguinte, Os Heróis do Olimpo, mas nesta fica bem perceptível como todos aqueles que têm enfoque, não são meramente bonecos de ação, mas tem suas dúvidas, anseios e certezas. O próprio Percy consegue ser diferente: apesar de ser criado com base no clichê da jornada do herói (pegue 5 sagas literárias e analise os personagens principais: você verá muitas semelhanças), sua história difere por sempre haver questões e o garoto não ser absoluto em tudo o que faz (até por que ele é, digamos, lerdo...). A todo o momento necessita da ajuda dos amigos e suas decisões tem influência nos decorrer dos acontecimentos. Ele sempre está se perguntando por que tudo aquilo está acontecendo e mais, dá risada pelo fato de ter uma sorte tremenda (coisa que é necessária para o herói vencer, mas ninguém admite. Aqui, pelo menos há um reconhecimento e amenizada visto esse clichê  ser obrigatório).
Surpreendi-me bastante, pois a narrativa é em primeira pessoa, e isso pode limitar o desenvolvimento dos personagens. Mas é justamente o inverso: vemos sob a visão do Percy como cada ser é diferente, desde Sátiros à Deuses loucos, seguindo aquela relativização da moral: cada qual tem seu próprio interesse e não é por que agiu de determinado modo, que pode ser caracterizado como mal. Até mesmo a causa do vilão não é uma loucura saída do nada: tem seus porquês e razão em certos aspectos.

3 - Trama inteligente
Rick Riordan criou uma fórmula e isso vai ficando perceptível ao longo da leitura, principalmente se você leu Os Heróis do Olimpo. Porém, a grande sacada está no modo como as coisas acontecem: você pode até saber qual vai ser o final, mas o autor te faz ter duvidas até chegar lá. Os problemas tendem a ser grandiosos e aparentemente sem saída, surgindo a resolução de um jeito totalmente inesperado.
Como poucos sabem, Riordan antes de Percy Jackson escreveu uma série de livros de mistério adulto, ao melhor estilo Agatha Christie - sendo assim, percebemos claramente essa influência. Os Olimpianos funciona assim: cada livro tem uma história que fecha em si, mas por trás, por meio de crescente pistas, uma grande história vai sendo formada até chegar no último livro.
O personagem principal e os coadjuvantes não fazem ideia do que está acontecendo e assim como nós, conforme vão entendendo os planos mirabolantes do vilão, aprendem a se defender e amadurecem.
A profecia é um aparato muito inteligente, pois demonstra como Rick planeja a história. Temos muitas profecias, seja do Oráculo ou de lendas antigas, mas você não liga muito para elas, até por que não fazem o menor sentido (os heróis pensam da mesma forma): porém, quando menos esperamos, elas acontecem e aquelas palavras loucas, se transformam em reais.

4 - Ambientação
O Acampamento Meio-Sangue é o local onde semideuses são treinados para combaterem monstros. Assim como Hogwarts, esse lugar é mágico, tendo seus mistérios e histórias. A quantidade de seres mágicos descritos, tornam a coisa mais interessante ainda: são diversas criaturas vivendo em conjunto, nesse mundo que parece ser legal e incrível ("Uau! Existem casas como Harry Potter! Uau! Eles tem poderes!"), mas que se mostra difícil, cheio de responsabilidades e problemas, as quais crianças não deveriam viver ("pera aí, eles não podem andar por cinco minutos sem encontrar um monstro do tártaro... Os deuses não ligam para seus filhos... as casas são mal divididas...").

Apesar da escrita simples de Riordan, ops! Percy, temos uma descrição bem detalhada de ambientes variados. Até Nova York se torna uma cidade mágica. E a aventura não se restringe à essa escola de semideuses, ao contrário : o quebra pau ocorre lá fora, seja no terrível Mar de Monstros ou no glorioso Olimpo.

5 - Humor e drama
Os livros são altamente hilários! A história já tem seus momentos cômicos, mas com as observações de Percy, se tornam muito engraçadas. Entretanto, não acaba aí: acompanhar essa aventura é um carrossel de emoções. Na mesma medida que é engraçado, pode ser dramático e triste.
Há um trabalho elaborado dos gêneros: as cenas de luta são bem descritas, épicas e mirabolantes; em suma, de perder o fôlego. O romance é bem desenvolvido, sem ser fantasioso ou exagerado demais, e as perdas irreparáveis, tem seu impacto, seja nas atitudes ou no emocional dos personagens.

Essa mescla de gêneros faz Percy Jackson ser uma história crível, com valores sendo passados, mas sem nenhuma panfletagem. É tudo muito inesperado, mas bem desenvolvido: crianças não estão preocupadas com namoro, mas aos poucos elas descobrem esse lado mais romântico, em meio a uma guerra. Se fosse para definir essa série, eu definiria como uma história de escolhas: a todo momento os personagens tem de escolher um lado, porém eles aprendem que não existe apenas direita e esquerda; eles podem criar o próprio caminho. Essa carga de responsabilidade, acaba por resultar em um drama que nos envolvemos fortemente, ao mesmo tempo que vamos entendendo cada piada como forma de defesa (Leo mandou um abraço direto da série seguinte).


Conclusão
Percy Jackson & Os Olimpianos é uma série de livros ótima. A construção de sua trama e personagens é incrível, nos mostrando que há mais de um jeito de se contar uma história épica. Não são livros infato-juvenis, mas para todas as idades!

E aí, o que achou da lista? Acha que faltou alguma coisa? Diga nos comentários!

El Psy Congroo.
Seja o primeiro a comentar.

Postar um comentário