quinta-feira, 2 de abril de 2015

Você sabia? #2:Uma breve análise da cultura japonesa. Por que não existem mulheres em Final Fantasy XV?


Os "supostos" membros da party

Um dos assuntos mais controversos em relação a este jogo tão esperado. Por que diabos uma franquia que sempre teve personagens femininos, não os possui como membros da party em seu décimo quinto capítulo?

Já vou adiantar dizendo que não tem nada a ver com ódio contra a mulher, ou porque eles são gays. Tirem a maconha da cabeça e vamos a uma análise mais profunda da situação. Mas analisar o quê? A cultura japonesa:


O diretor do jogo Hajime Tabata disse que fez esta escolha, pois assim o jogo se tornaria mais acessível. A proposta seria mostrar um grupo de amigos e como eles interagem entre si, se houvesse uma mulher no grupo o comportamento deles seria diferente.

Até consigo entender essa ideia, mas uma questão ainda fica no ar, é impossível um homem e uma mulher estabelecerem uma relação de amizade semelhante a dos marmanjos de FF XV? Em um jogo ocidental talvez fosse possível, agora em um japonês provavelmente não.


Compreender as questões orientais usando a ótica ocidental é uma ilusão, eles vivem em outro mundo. Em toda a minha vida eu consumi muito material cultural do Japão. Depois de ver tanta coisa, eu consigo dizer com certeza que os japoneses tem medo da proximidade entre os sexos, sendo um problema extremamente complexo entre os diversos gêneros que existem na sociedade deles - algo que não consigo explicar bem, mas que é fácil de exemplificar:
Você que assiste anime, nunca achou estranho o fato de mesmo em animes de romance a distância entre os personagens principais sempre ser tão grande? Mesmo em animes em que o romance não é o foco, a distância entre o par amoroso ainda é enorme. Você quase não vê contato físico, um beijo é milagre.

A arte é um reflexo da sociedade, e todo esse comportamento medroso e bitolado é fruto de fatos reais. No japão beijar, abraçar, manter uma maior proximidade em publico é um tabu. Protagonistas de anime se sentem extremamente encabulados só em segurar as mãos de outra pessoa!

Tidus e Yuna se amam tanto que depois de darem uns pegas no rio nunca mais mostram carinho um para o outro!! Japão.


"Mas Julião, que que isso tem a ver com Final Fantasy? Final Fantasy não é um Dating. Por que essa ênfase na questão amorosa?"

Se representar bem uma relação de cunho sexual já é praticamente impossível pra eles, você acha que representar algo profundo como uma verdadeira amizade entre homem e mulher é possível? A visão deles em relação a mulher é muito diferente da nossa. Aqui no ocidente quase tudo pode ser tratado de forma aberta, lá não.

Claro que, o amor é tão profundo quanto a amizade, porém é normal inicialmente ter a visão do outro sexo como objeto de atração e coisas do tipo. Estabelecer uma verdadeira amizade que não envolve nenhum interesse sexual/amoroso é algo muito complicado, ainda mais para os japoneses que têm suas mentes presas em pequenas caixas de preconceitos, tabus e morais a serem seguidas.

Cecil e Rosa.

"Ah, mas em outros Final Fantasy existe sim amizade entre homem e mulher!"

Existir existe, mas sempre é tratado como segundo plano. Quase sempre a questão amorosa ofusca as outras em uma Final Fantasy: Cecil de FF IV tinha uma amizade muito saudável com sua amiga de infância Rosa, até que em um dia bonito eles se casaram. O melhor amigo do outro sexo em um Final Fantasy também é o interesse amoroso.

O Final Fantasy XV quer fugir dessa ideia, fazendo do companheirismo o tema central entre os personagens. Aparentemente os garotos da party já se conhecem há anos, como amigos de infância igual no FF IV, só que dessa vez sem a opção deles formarem casais. Na mentalidade japonesa isso não ia funcionar muito bem, é um clichê mais do que comum no Japão amigos de infância formarem casais, para vencer esse preconceito eles teriam que fazer um jogo que é mais ocidental do que japonês, o que está fora de questão por enquanto.

Até enfatizei só na visão da mulher tida pelos homens, mas gostaria de deixar claro que o oposto é a mesma coisa. Nos animes não é só o cara que é encabulado, bitolado e se deixa levar por situações imbecis, as mulheres não fazem nada pra mudar a situação também dentro do enrendo.


Uma sociedade doente

Todo mundo sabe que o Japão é esquisito, mas vocês não imaginam o quão doente é a sociedade deles. Se você se interessou pelo assunto recomendo fortemente a leitura dos textos do blogger Kauê, mais conhecido como Otakismo. Diferente de eu que só falo merda, seus textos são redigidos com base em estudos extensos!

Segue abaixo vários exemplos da bitolação amorosa que eu consegui lembrar. Não tenho exemplos bons em relação a amizade pois, como eu disse, amizade entre homem e mulher no Japão é algo complicado.


A confissão de Hinata.

Este momento, quando aconteceu foi um boom para todos que acompanhavam Naruto na época, contando comigo.

Naquele momento da história Naruto ia mostrando mais e mais temas adultos, com a morte de Jiraya e o crescente ódio no coração de Naruto. Além da loucura descontrolada de Sasuke, que estava o transformando em um genuíno vilão.

A confissão acontece quando Naruto estava prestes a ser dominado por Pain, sendo esta uma luta com um peso nunca antes visto, pois Pain havia matado vários personagens importantes da série até aquele momento. Vendo seu amor em perigo iminente, Hinata tenta salvá-lo.
Sabendo que Pain provavelmente a mataria, ela confessa antes de lutar uma batalha suicida, na qual ela termina mortalmente ferida.

Após a batalha, poderes tirados do rabo do autor fizeram todo mundo reviver, e uma das maiores razões de Naruto ter conseguido se erguer naquela luta foi por causa da determinação que Hinata restaurou em seu espírito. Quando alguém diz que gosta de você o certo é responder a pessoa, certo? Errado. De acordo com Naruto, o certo é sair em uma viagem logo em seguida para procurar Sasuke. Passam-se mais de 100 capítulos até Naruto sequer lembrar que a Hinata existe. Mesmo quando eles se encontram depois, nenhum dos dois age de forma constrangida ou estranha, é como se não tivesse acontecido nada!

"Ele ignorou totalmente minha confissão por mais de um mês, mas eu amo o Naruto-kun!"

No final da história eles se casam, vai entender.



Clannad. O único casal do mundo que transa e depois mantêm a inocência!!

Clannad é ótimo. O anime sempre é lembrado pela sua enorme carga emocional e a relação amorosa de Tomoya e Nagisa, que começa no colégio e acaba em uma família feliz como a imagem mostra. Porém, com seus mais de quarenta episódios e suas diversas histórias retratando os dramas da vida, em nenhum momento houve um simples selinho.

O anime é lotado de momentos melancólicos e românticos, mas tem medo de um beijo!!! Eu não quero ver a Nagisa pelada nem nada do tipo, mas ela já teve filho com o cara e o anime se recusa a te mostrar afeto físico!


"Ah mas, é porque Clannad é uma história bastante inocente como um todo! Você não pode pedir esse tipo de coisa"

O mangá acima se chama Horimiya e também é muito inocente, e ainda assim conseguiu ilustrar uma cena de sexo sem perder sua inocência! Cadê seu Deus animes da KEI?!?!


A gente já fez sexo, mas ainda temos medo de contato viu!

O casal fica preso em um jogo da morte, um MMO em que se você morrer seu corpo físico também morre. Lá eles se conhecem e se apaixonam. O enredo se destaca por logo em seu início apresentar uma visão mais honesta de uma relação romântica, onde o afeto não é motivo de tabu ou extremo constrangimento. Originalmente, Sword Art Online foi um livro publico na internet, e nesta versão virtual do livro até cenas de sexo explícitos eram retratadas. O que depois que ele saíram do mundo do jogo ficou bem estranho, pelo menos no anime. 

Eles já se conhecem faz dois anos, já tiveram relações sexuais e quando se conheceram no mundo real o máximo que você vai ver é o ombro dos dois se encostando, Kirito nem passa a mão pelo ombro dela!. A parte emocional é sim bem trabalhada e o afeto é bem demonstrado no primeiro arco do anime, mas quando ele acaba só fica a emoção, como na maioria dos animes que se limitam a uma "relação inocente". O problema é que o Kirito já chupou os peitos dela! Inocente é o caralho. Dá uma lida aqui pra você ver o nível.

SAO é um dos melhores exemplos para falar disso, porque ele exemplifica muito do que eu falei sobre FF XV, mostrando que "sempre" vai ter algo a mais em relação homemXmulher. O Kirito não consegue ser "só amigo" da própria irmã! Existe um enorme fetiche entre irmãos no Japão, existem até animes focados em fazer piada com isso como Ore no Imouto.

Fora isso um machismo dos mais nojentos consegue ser representando em Sword Art Online. A premissa fala sobre um mundo dentro do jogo, mas SAO na verdade fala mais sobre as pessoas do que o jogo em si. É uma machismo na forma de assédio moral, verbal e as vezes sexual. A Asuna e a personagem Sinon quase foram estupradas




Lutamos contra metade do mundo pra ficarmos juntos e depois disso entramos no prézinho de novo.


Eureka Seven é um dos melhores animes que existem. E ele me surpreendeu por falar de tantos temas adultos e ao mesmo tempo manter um romance muitas vezes digno do jardim da infância.

Intolerância religiosa, mensagens ambientalistas, guerra, genocídio e robôs gigantes são alguns dos temas comuns em Eureka. Renton é um dos protagonista mais únicos que existem, pois apesar de seu talento como piloto, ele realmente tem a mentalidade de uma criança. O crescimento dele não é de uma criança adulta para um adulto, ele realmente era criança, o que difere muito da maioria dos protagonistas de anime, que quando mais novos já eram tão inteligentes ou fortes quanto seus mestres.

Acontece muita merda até Renton e Eureka se aceitarem como homem e mulher, mas depois que eles o fazem sabe o que acontece? Porra nenhuma. O anime tem cinquenta episódios, o relacionamento se desenvolve lá pelos episódios vinte ou trinta. Durante todo o anime a parte emocional dos personagens é muito bem trabalhada, inclusive depois do sentimento deles se tornarem conhecidos, mas depois disso eles continuam vivendo na maior inocência, o que não faz sentido pois o mundo de Eureka não tem nada de inocente!

"Ah! Mas Julio! A Eureka tem aquelas tretas que envolvem o seu nascimento e seu tempo de vida! Ela tem uma mentalidade inocente e por isso que não existe afeto físico durante quase toda a história!"

A Eureka é inocente? Renton é inocente demais? Ela já foi uma genocida que fez montanhas de corpos enquanto Renton é um homem na puberdade, como tem inocência nisso?



Só falei de anime até agora, vamos falar de jogo, e um dos mais renomados do gênero JRPG.

Tales of the Abyss tem muitas qualidades, mas aqui o defeito que todos tem em comum sempre é o mesmo.

Luke começa como um personagem extremamente irritante, ignorante e arrogante. No início da história pode-se dizer que ele e Tear até se desprezaram por um bom tempo. Luke é fascinante, pois ele consegue passar de um personagem arrogante que só causava desconforto para um dos protagonistas mais amados dos RPGs japoneses. Quem acompanhou sua transformação desde o começo foi Tear, que se surpreendeu profundamente ao ver o garoto mimado que só faz merda se transformar em um homem que não hesita em se sacrificar para ajudar os outros.

Já Luke, sente-se culpado por ter destratado tanto Tear no início da história. Além disso, ele sente que tem um dívida muito grande com ela pois, ela o ajudou muito em diversas situações em que ele só respondia com ingratidão. Além dela ser uma mulher forte, inteligente e gentil.

A admiração é mutua e isso vai se desenvolvendo ao longo do jogo todo. Até culminar em uma cena dos dois sozinhos olhando a lua antes da batalha final, o medo da morte da uma coragem extra para qualquer um, mas não foi o que aconteceu aqui. Nenhum dos dois falou nada, ficaram só como amigos e é isso ae! Não posso explicar com mais detalhes para não dar spoiler, mas posso dizer que na cena pós-créditos não deram nem um abraço de brinde, na verdade algo ia acontecer, mas aí acaba o jogo!
Legal viu.
Seja o primeiro a comentar.

Postar um comentário