Pular para o conteúdo principal

Destaques

O terror como punchline humorística em Get Out

O cinema tem como principal função apenas entreter, assim como qualquer outra forma de arte. Você pode dar "n" motivos para uma obra ser boa, mas se ela não entretêm, ela não serve para nada. Tendo isso em mente, eu sinto falta de um cinema um pouco mais descompromissado; eu sinto falta de contos e crônicas sinceras, coisas que só vemos em produções independentes que em sua maioria se quer chegam por essas bandas. Portanto, ver um filme como Corra fazendo sucesso tanto entre o público de nicho e o público geral, acabando por ser exibido com certa relevância, chega a emocionar. Não que isso automaticamente torne o longa bom, mas é que a sua proposta é tão simples e ao mesmo tempo tão cheia de nuances e propósitos, que é difícil não torcer para que dê certo. Corra deu certo e não só isso, é um respiro no gênero tanto de terror quanto de comédia. Ele não é inovador, mas a sua exótica combinação de gêneros culmina em uma história bem executada, sem a necessidade de ser megaloma…

[Dissertações] Do Amor ao Ódio - Square Enix Parte 2: Kingdom Hearts


Os textos Do Amor ao Ódio são escritos de forma descontraída, levando em conta mais o critério pessoal do que crítico.E continuando o tema que criou essa coluna, vamos falar da Square Enix.

Kingdom Hearts 15&2.5 Remix
Uma das melhores surpresas do PS2. Um jogo com uma premissa inusitada, que prendeu a atenção do mundo por conseguir fazer sucesso com ela. Kingdom Hearts mistura personagens da Disney e personagens de Final Fantasy, além de usar personagens criados para a série feitos em moldes da Square.

Não se sabe exatamente de onde veio a ideia de criar um jogo assim, existe uma história bastante contada por aí que diz o seguinte:

"Dois executivos, um da Square e outro da Disney se encontraram num elevador, trocaram umas ideias e se deram bem pra cacete, no meio da conversa eles brincaram pensando em um crossover entre as duas empresas. Viram que daria algo bom e tentaram realizar a ideia."


O fato é, o primeiro KH lançado em 2002 foi um sucesso tão grande que a franquia ao longo dos anos só fez crescer. Uma ideia tão improvável deu certo pois a equipe que cuidou da parte técnica do jogo fez um trabalho impecável além de contar com a direção de Tetsuya Nomura, um nome muito conhecido em Final Fantasy. A experiência com o jogo é muito agradável, tendo trilhas sonoras no mesmo nível de qualquer jogo da Square, uma jogabilidade fácil de entender mas que pode ser desafiadora e principalmente, os cenários mirabolantes da Disney e aqueles criados para o jogo.

A história adota características das duas empresas pois os personagens são simples, inocentes e virtuosos como em um filme da Disney, entretanto os acontecimentos, o cenário e muitas situações são complexas, malucas e cheias de melancolia, como em um jogo da Square.


Então qual o problema com uma franquia tão legal? Quando foi lançada a HD collection para PS3, a escolha da Square foi dividir ela em duas.Praticamente duplicando o preço de uma coleção que, poderia sim ser colocada em um único blu-ray. Além de que cada Blu-ray só contem dois jogos. Por exemplo, no primeiro HD Remix você joga o Kingdom Hear I e Chains of Memories, o terceiro jogo aparece em forma de cinematics! Preguiça de remasterizar todo o gameplay do jogo, pelo menos o vídeo está muito mais bonito do que a versão original.

Ou se realmente não foi possível graças uma limitação técnica que eu não conheço, eles poderiam sim colocar os jogos mais leves por download na psn e os principais no blu-ray. Recentemente comprei a Metal Gear Legacy Collection por míseros R$50, recebi 8 jogos nela por 50$. Se você quiser os dois KH HD vai ter que desembolsar mais de R$200.

Tudo bem que o jogo é ótimo, pode valer a pena para quem tem dinheiro mas, não deixa de ser uma ação de mercado mercenária. Se não foi por que a Square não se pronunciou dizendo que não cabia tudo em um único blu-ray? A franquia é renomada demais, essa HD collection deve ter arrecadado muito dinheiro para eles.

Além do fato de que a construção do enredo é extremamente maluca. O termo Spin-off não se aplica em Kingdom Hearts, tudo é importante para a sua compreensão do enredo. Depois do Kingdom Hearts 2 foram lançados mais de três spin-offs para plataformas diferentes, todos tendo um peso na história, os jogos são ótimos mas eles embaralham mais ainda o enredo confuso da franquia.

E nem pra lançar uma versão da HD collection contendo os jogos principais e outra com os spins, tiveram que separar tudo, deixando a distribuição dos melhores jogos da franquia entre as duas versões, praticamente te forçando as comprar as duas.

Menção Honrosa: As Aberturas

Kingdom Hearts possui algumas das melhores CGs da sexta geração de video-games, ate hoje elas ainda são bonitas. Eu só fui atrás de Kingdom Hearts por causa dessas animações tão magníficas, a ideia do jogo me parecia ridícula enquanto a abertura me era espetacular.

A música abaixo foi composta e cantada por Utada Hikaru, foi uma ótima jogada pois, foi um single que no Japão conseguiu o primeiro lugar no ano de 2002.

Comentários

Postagens mais visitadas