Pular para o conteúdo principal

Destaques

Steven Universo: reflexões sobre o papel educacional de um desenho

Vivemos em um mundo de conflito, onde olhamos primeiro as diferenças e depois as semelhanças. Por essas e outras eu fico feliz de ter assistido quando criança desenhos que falavam sobre alguém excluído por ser diferente. E por causa disso acredito que Steven Universo, entre outros desenhos atuais, são mais do que recomendáveis para crianças e para qualquer um, pois eles possuem uma mensagem que pode potencialmente melhorar o caráter de alguém.

COMO SE TORNAR UM MESTRE DA CONVERSA OFF-TOPIC

Iae galera como vão? Curtindo muito esse final de ano? (ou "curtiram", dependendo da data que você estiver vendo este post).Pois bem, espero que sim, já que o ano novo é a data da falsidade (te amo!), em que tudo tá ok, inclusive ficar bêbado. Então né, não vamo desperdiçar.
Bom, eu pensei em vir aqui e fazer um postzinho para vocês, desejando um ótimo final de ano e próspero ano novo, mas tanto eu quanto o Juliuz não damos a mínima para festas pagãs e hipócritas, muito menos visto que as pessoas tem memória curta e repetem os mesmos erros dos anos anteriores. Então né, não vou vir aqui e desejar o melhor do mundo para gente que nem conheço, Deus deve ser um cara ocupado então não vou desperdiçar com vocês.
Brinks, desperdiço se isso der mais views (nada pessoal Deus).

Aí eu tava num daqueles banhos longos gastando a água da Cantareira, pensando o que caralhos eu escreveria. Não queria ser um nice guy soro super positivo, mas também não queria deixar passar em branco.
Foi então que eu resolvi vir com algo útil para a sociedade, que a vida tratou de me ensinar. Prestem atenção jovens gafanhotos, pois hoje estarei passando para vocês toda a minha experiência em algo que é essencial para o dia-a-dia de todo ser humano.

COMO SE TORNAR UM MESTRE DA CONVERSA OFF-TOPIC!

Primeiramente, o que é "conversa off-topic"?
O dicionário El Psy Congroo de Loucuras define como: qualquer conversa que não acrescente em nada, muito menos tenha algum sentido à não ser socializar; tia chata; vizinho chato; colegas idiotas; pessoas ao qual o outro quer conhecer; meios de conseguir beneficios; whatever.
Ainda não entendeu? Então sigamos, que com os exemplos vocês saberão.

Situação de Aprendizagem 1: O Tempo

Parece que na sociedade atual o tempo é imprevisivel, visto tamanha poluição. Porém, a maioria das pessoas são burras e preguiçosas e nem se importam em pesquisar se no dia seguinte irá fazer calor ou frio, deduzindo tudo pelas nuvens como Índios na floresta (eu sei que você faz isso, hue). Já que o Sol, o câncer de pele, o vento, a chuva ácida e etc, são coisas que nos afetam diretamente, então logo "o tempo" em si se torna um dos melhores temas para puxar assunto com alguém. Na verdade, não tem necessidade de ficar conversando com gente desconhecida, mas isso serve para quem necessita saber responder aquela vovózinha caduca que mal tem assunto, mesmo com seus 80 anos, ou aquela vizinha chata que insiste em falar com você.

Problema: você está no elevador de boas indo levar o lixo. Uma resolução imediata seria os bons e velhos fones de ouvido, mas digamos que você tenha esquecido. Bom, de repente a porta se abre e entra o sindico no elevador, para ao seu lado e dá uma olhadinha, meio sério. Preste atenção nas mãos dele ou no corpo, muitas vezes costuma-se dar um sorrisinho quando está prestes a falar.
Então ele diz o clichê: "nossa o tempo tá seco hoje né, bastante calor".

O que eu gostaria responder: "nossa, tá calor? nem tinha percebido. Acabei de fritar um ovo no asfalto pensando que era frigideira. Obrigado por me avisar. Vou comunicar minha família, eles já vão poder mudar a estação do chuveiro pra fria. Muito obrigado, sem você minha família inteira estaria tomando banho em sauna achando que tá nevando lá fora. Foi Deus que te colocou na minha vida cara."

Resolução: invente. Fale que viu no jornal que parece que vai chover, por exemplo. Enfatize o quanto o tempo está quente, para a pessoa sentir que não é a única a achar isso (hue seres humanos são loucos). E de preferência ache uma resolução ou maleficio e uma piadinha, do tipo: "tomara que chova logo né, tempo assim é ruim, o ar fica seco e ruim pra respirar, ainda mais com essa poluição. Desse jeito vou ter que juntar as moedas pra comprar um ar condicionado, se não todo mundo fica torrado hehehe
O vizinho provavelmente irá responder algo equivalente, provavelmente se focando nos maléficos do calor. O grande lance da conversa off-topic é que ninguém está interessado no assunto, então portanto o que as pessoas querem é falar e serem ouvidas, ou apenas ouvirem algo de alguém: estabelecer contato parece ser algo importante para os humanos. Uma boa tática em relação ao "Tempo" é usar a atuação e ativar o modo ignorante ingênuo, perguntado pra pessoa sobre tudo ("será que vai chover mesmo?", "Nossa mas o céu tá tão claro, será que o calor faz mal assim?" e etc) ou o meu preferido: o modo culto.
Neste modo é importante saber conciliar os assuntos, criando conexões.
Por exemplo: ali em cima falamos do ar-condicionado, nesse caso, já poderíamos emendar com: "mas o preço tá caro né, ainda mais nesse calor". Está vendo? Você já está falando sobre inflação com um desconhecido e nem percebeu.

O modo ignorante ingênuo é bom para exaltar o ego da pessoa que está falando, já que você basicamente apenas ouve, e dá umas pinceladas, fazendo questões em que a pessoa discorrerá mais ainda sobre. Mas é preciso ter cuidado para a conversa não morrer, saber puxar um assunto se baseia muito nas questões feitas e a importância delas - tipo, dizer "nossa como o tempo tá quente, oloco. Mo ruim né?", é algo fadado a morrer, já que é bem óbvio. Mas dizer: "nossa, como o tempo tá quente, oloco. Cê viu? Teve incêndio em tal lugar" ou "o ruim é que o prédio fica estufado e ainda mais que ele é fechado", aguçam a atenção do ouvinte, pois os dizeres já estão em outro nível de importância.
Vantagens deste modo: se bem executado, a conversa pode ser curta e muito proveitosa, a pessoa vai te achar um ótimo vizinho e não lhe tomara muito tempo.
Desvantagens: o perigo de parecer pacato e completo idiota. Ou o mais comum, estanho. É muito fácil deixar a conversa morrer neste modo.

Já o modo intelectual é bom para passar uma ótima imagem de si mesmo. Nele é preciso saber falar e ter conhecimento prévio de certas coisas e usar referências, mesmo que inexistentes. O bom dele é que você pode emendar com diversos assuntos, alguns até interessantes - a partir do ar condicionado você falar de inflação, e de inflação sobre o governo e do governo sobre o PT. Todo mundo adora falar sobre o PT.
Porém, é preciso saber a hora de se calar, se não a pessoa vai te achar um sabidão chato que fala demais. Pondere bem o que a pessoa diz, finja que você, o intelectual, está processando aqueles informações e acrescente. Exemplo:
"Nossa como o tempo tá seco?"
"Tá mesmo, nossa a densidade tá bem baixa. Mal da pra respirar"
"É, faz até mal pra saúde" (perceba: difícil resposta depois disso. Risco da conversa morrer).
"Faz mesmo, imagina pra quem trabalha a essa hora? Nossa e eu ainda vi gente correndo hoje, fazendo exercício, eu acho doideira nesse calor. Se eu já passo mal assim, imagina correndo? Sou mais ficar em casa com meu ventiladorzinho" - pronto, nunca exceda os caracteres. Se você falar demais, vai ficar falando sozinho. Espera a pessoa falar e esteja atenta, ou finja, para sua opinião.
Vantagens deste modo: dificilmente o assunto morre e há um leque de temas. Sua imagem pode se sair boa para o vizinho e o assunto tende a ser mais profundo.
Desvantagens: o assunto pode se estender e tomar muito do seu precioso tempo (o vizinho pode se empolgar) e você pode falar coisas demais, inclusive o que não devia. È preciso estar atento ao o que se diz.

Por fim, o tempo lida com esperanças. Se está muito calor, as pessoas esperam o frio. E se está muito frio, as pessoas esperam o calor. Dizer, "acho que vai chover", aguça a atenção do ouvinte.


Situação de Aprendizagem 2: e as namorada?

Esse é um nível um tanto quanto avançado, mas consiste em apenas dizer o que a pessoa espera ouvir.
Você tá lá de boa, tomando vodka com cocaína e aí chega aquela sua tia. Ela cumprimenta todo mundo e quando chega em você, logo diz: "nossa, como você cresceu hein? E as namorada, já ta namorando?" ou, "e as namorada? como tão?"
Bom, dependendo da sua idade você pode tomar uma posição do tipo: "Não tia, sou muito novo para namorar. Só estudando mesmo" , mas se você já é mais velho (não importa a idade, as tias continuam fazendo a mesma pergunta), pode dizer: "Não tia, to me focando mais nos estudos/trabalho, namorar atrapalha." e de quebra, se ela for solteira pode soltar um: "e você tia, já casou?" ou se ela for casada: "e o tio, como tá? Bebendo muito?"
Você acabou de ser ácido, sem ser escraxado ou mal educado. A grande tática das piadas em família, seja do seu tio do pavê ou pacome ou da sua tia bigoduda, é deixar você constrangido - portanto, nunca demonstre constrangimento e ria de tudo. Engula a vergonha e se der, diga algo mais absurdo.
Exemplo:
"E as namorada?"
"Tão lá, me esperando hueheuheuhe"

Ficar quieto pode ser uma boa saída, mas não se você demonstra sua vergonha. Ficar quieto de modo sereno, apenas rindo e dizendo, "é isso aí", faz com que a conversa morra e perca a graça.
Por exemplo: (essa fizeram comigo ao saberem que eu estava namorando) "E aí M,me falaram que você virou fazendeiro..."
"Como assim tio?"
"Tá plantando mandioca"

Apenas dei risada e respondi: "Opa, com certeza. Sempre'.
Meu tio teve a diversão que queria e o assunto terminou: fim.

Situação de Aprendizagem 3: Política

É perceptível que "O Tempo" é o grande pilar da conversa off-topic. Mesmo assim, é preciso estar atento para qualquer empecilho. Então saber questionar, como já dito, é importante e mais que tudo isso: acrescentar informações. Demonstrar emoção faz parte e cria todo um sentimento.

Problema: você chega em casa e teu pai tá sentado no sofá vendo o jornal. Aí ele diz, "nossa filho, você viu as faculdades tal e o ENEM vai ser logo logo"

Resolução: "Vi sim pai, tão tudo com desconto. Tava vendo hoje de manhã no jornal. Nossa, o ENEM esse ano parece que vai estar difícil" - você viu? você criou uma relação com ele pois ambos vêem o jornal e identificou o que ele quer: saber que você está se interessando por aquilo que ele propôs.
É preciso saber criar um sistema filosófico próprio de acordo com seu círculo familiar e de amigos, identificar se a pessoa que você está falando é receptiva ou ativa ajuda muito - receptiva só ouve e ativa fala demais.

Outro situação é quando você encontra um colega ou está andando com ele e ele insiste em falar de mulher e futebol. O jeito é simples: usar a política.
Todo mundo adora meter o pau no governo ou em quem vai contra. Então, aproprie-se de uma notícia ou invente, que envolva o Estado. Exemplo:
"Se viu, o caso da Petrobrás? Você é a favor dessa Dilma?"
Pronto, aí está o estopim. Mas seja cauteloso, você não quer ir demais contra a pessoa (se for o caso) e entrar numa discussão desnecessária. A política é uma boa arma e apenas necessita de palavras aleatórias como: corrupção, país de merda, no exterior é desse jeito, não dá para fazer isso e aquilo, tal candidato devia ter ganhado e etc.

Situação de Aprendizagem 4: terminando a conversa

Se o assunto ficou legal e realmente valeu a pena, ok, continue. Mas se você, como a maioria das pessoas apenas quer evitar aquela situação de constrangimento, sem parecer um idiota, estranho ou o que seja, e quando o elevador abrir quer ir correndo para sua casinha, saiba terminar uma conversa. Isso se aplica muito quando a conversa se estende além do necessário. Vejamos o exemplo.

Problema: você está no supermercado e encontra Jesus comprando pães. Jesus é seu primo e te para e começa a conversar sobre a família - parece que o pai dele é bem severo.
Porém, chegado aquele momento de conviniência social e podendo ser que Jesus fale demais, você quer ir embora, mas sem deixar de ser educado. A melhor saída para essas ocasiões é a mentira (Você tá falando com Jesus, não com Lúcifer, nem vai perceber) ou o exagero.
Primeiro, enfatize o que o cara falou, mas sem questões. Geralmente é bom fazer um bom discurso. Exemplo: "Nossa seu pai te sacrificou. Que coisa horrível cara, você devia tomar uma providência. Coisa assim não se faz com o filho, se fosse eu já tinha prendido. BOM, (essa preposição e outras como "Mas", são muito importantes) a vida é assim mesmo, deixa eu ir lá se não minha mãe/esposa me mata, tenho que ir logo, vai chegar gente em casa (detalhe: você mora sozinho hue)". E assim, já vai andando, fazendo como se estivesse com pressa. Pronto, terminou a conversa.


Conclusão

A conversa off-topic está nos pilares da sobrevivência humana e Rousseau já falava sobre isso. Sem ela nossa vida está fadada à opinião própria, sinceridade e julgamento alheio. E não queremos isso né?
Bom pessoal, feliz ano novo pra vocês, mesmo que você saiba que vai ser uma merda.
Reconheço que boas intenções são importantes: portanto, se beberem, não dirijam.

Até mais,e

El Psy Congroo.

Comentários

Postagens mais visitadas