Pular para o conteúdo principal

Destaques

O terror como punchline humorística em Get Out

O cinema tem como principal função apenas entreter, assim como qualquer outra forma de arte. Você pode dar "n" motivos para uma obra ser boa, mas se ela não entretêm, ela não serve para nada. Tendo isso em mente, eu sinto falta de um cinema um pouco mais descompromissado; eu sinto falta de contos e crônicas sinceras, coisas que só vemos em produções independentes que em sua maioria se quer chegam por essas bandas. Portanto, ver um filme como Corra fazendo sucesso tanto entre o público de nicho e o público geral, acabando por ser exibido com certa relevância, chega a emocionar. Não que isso automaticamente torne o longa bom, mas é que a sua proposta é tão simples e ao mesmo tempo tão cheia de nuances e propósitos, que é difícil não torcer para que dê certo. Corra deu certo e não só isso, é um respiro no gênero tanto de terror quanto de comédia. Ele não é inovador, mas a sua exótica combinação de gêneros culmina em uma história bem executada, sem a necessidade de ser megaloma…

[Analisando Jogos] Limbo, o Simulador de Mortes Infantis.

Limbo é um jogo indie lançado em 2010 e desenvolvido pela Playdead, uma empresa dinamarquesa que até hoje é reconhecida só por este jogo.

A ideia central é extremamente simples, e isso não quer dizer que é ruim, simplicidade é bom desde que seja aplicada com um objetivo bem definido. Limbo se trata de um puzzle game, os comandos são andar, pular e interagir com os objetos do cenário, o gameplay neste aspecto é bem simples, o que o diferencia é a sua magnifica direção artística.


Enredo

Não se sabe nada do enredo. Esse é um jogo que vai pro grupo dos interpretativos, porém não há muita coisa para se interpretar em Limbo, apesar de vários críticos dizerem que há muito mais do que se vê, fica claro que falta no jogo uma preocupação com o enredo.
Outros jogos seguem o mesmo tipo de narrativa de Limbo, uma totalmente focada através do que você vê ao longo do gameplay. Esse tipo de história é minimalista, usa o cenário e os sentimentos provenientes deste para passar algo ao jogador, dentro do ambiente do jogo geralmente há diversas representações de um local fascinante que são auto-explicativas, alguns usam até poucos diálogos para explicar algumas coisas. Um exemplo de um ótimo jogo assim é Shadow of the Colossus.O problema é que Limbo não liga para explicações, o cenário não é auto-explicativo e não existem diálogos, as coisas são confusas e você vai passar o jogo inteiro sem entender o lugar onde está.

A única coisa que a empresa falou da história é "Um garoto entra no Limbo para saber o destino incerto de sua irmã".
It's LIMBO TIME!

Gameplay

Limbo é totalmente em preto e branco e possui uma jogabilidade em 2D que usa disto para construir um dos melhores game designs que já vi. Diferente de alguns jogos de puzzle que escondem a última peça do quebra-cabeça a todo custo, fazendo você se frustrar por dezenas de minutos procurando uma chave ou você perceber que tinha um buraco invisível na parede, diferente de toda essa confusão proposital que frustra o jogador, Limbo simplesmente o expõe a um cenário muito limitado que a primeira vista pode não fazer sentido. Neste cenário existem dois ou três objetos e é só isso que você vai precisar, não existe enrolação ou sistemas complicados de puzzle, o contraste entre preto e branco é usado de modo a deixar bem claro onde está tudo que você precisa e isso é ótimo.
Melhor crossover feito por um fã.Tem tudo a ver com o clima do jogo.

Um bom game design guia com maestria o jogador pelo cenário e o orienta sem ou com o uso de texto. Se você se perde com frequência na tela ou no mapa de um jogo o problema pode não ser você, o jogo que pode estar estruturado de uma forma que não seja prática, isto é um game design ruim.

O cenário não é preto e branco por motivos aleatórios, todo o jogo tem um toque artístico muito forte tanto que os críticos que defendem o jogo com garras e presas o classificam como uma obra de arte. As áreas são realmente fascinantes, usando algo tão simples como preto e branco foi possível criar cenários sinistros e muitas vezes bonitos e até contraditórios, preto e branco da um tom de morto para as coisas e conseguir trazer beleza dentro da morte é um dos trunfos de Limbo. Temos desde florestas macabras até cidades abandonadas, o mundo é totalmente desolado e hostil. O nome Limbo não veio ao acaso, querem que você se sinta entre a vida e a morte a todo momento do jogo.

Um aspecto essencial da jogabilidade são as mortes, cheguei até a pensar que o criador desse joguinho é um sádico pois vemos várias vezes uma criança morrendo de diversas formas diferentes, seja decapitada, estraçalhada ou afogada. Isso acontece pois um dos objetivos dos criadores era fazer um puzzle game com o elemento de tentativa e erro, é muito difícil passar dos desafios sem morrer e isso é bem legal até, você da risada de si mesmo vendo como o jogo é capaz de te destruir das mais diversas formas.

O tempo de jogo dura umas 3 a 4 horas, um tempo muito bom dado a proposta do jogo. Eu sou do tipo que não curte puzzle games pois na maioria dos que eu joguei senti que eles se arrastaram demais na sua reta final e que se torna maçante e frustrante continuar a resolver puzzles por mais de 5 horas, quando eu comecei a pensar que Limbo estaria me deixando com tédio o jogo acaba com um final aberto que tem a intenção de causar o sentimento de surpresa no jogador. É um final bastante interessante por causa da ênfase que o jogo da a ele, inicialmente você tem uma conclusão sobre o mesmo e depois outra e no final você não tem nenhuma. É um excesso de confusão e nada se conclui.

O valor de replay deste jogo é muito baixo, são quatro horas de campanha e depois a única tarefa que resta são alguns secrets escondidos nas fases que você demora pouco tempo para pegar usando um guia. Se você for extremamente hardcore pode tentar achá-los sozinhos mas não vejo nenhuma diversão em ficar revirando o jogo de forma incansável até achar algo escondido para se completar uma conquista.
Limbo é vendido em tudo que é plataforma mas tendo em vista que são quatro horas recomendo que esperem uma promoção, mas se você tiver dinheiro sobrando não faz mal também, no Steam ele custa só 16 reais.

Seja como arte ou jogo uma coisa é certa, Limbo é bom e uma experiência única, assim como um bom indie deve ser. Este jogo não é pra qualquer um, a menos que você não goste de arte no video-game, Limbo não é pra você.

Curta nossa pagina no face!

Comentários

Postagens mais visitadas