domingo, 12 de outubro de 2014

[Acompanhando] Doctor Who: Kill the Moon


Episódio: 7
Temporada: 8

Depois da melhora no episódio anterior, eu esperava que logo fosse tudo voltar para a estaca zero. Por sorte isso não aconteceu.
Kill the Moon prova a minha teoria: de que Doctor Who funciona sendo simples, sem enredos mirabolantes e plots twists farsantes. Na trama, o Doutor leva Clara e sua nova amiguinha, Courtney, para a Lua em 2049. O grande problema é que a Lua por algum motivo desconhecido está se partindo, criando desastres naturais na Terra. Como o Doutor e a própria humanidade irão sair dessa?


O episódio em si não é lá essas coisas. O enredo até que é intrigante, mas muitas vezes soa chato. Não tem um plot suficiente para que se sustente durante quase 50 minutos. Então, podemos ver aqui muitas enrolações e falações que não acrescentam muita coisa. Mesmo assim, os diálogos e as personagens são interessantes, principalmente Courtney que não é meramente um peso morto na história. Quer dizer, ela tem apenas 15 anos, por isso não faz muitas coisas, mas é de uma ajuda imensa.

Os efeitos estão muito bons. A viagem à Lua soa como real e até mesmo os gigantes germes (aranhas do Harry Potter hue) são bem feitos. O que talvez possa irritar é o fato do Doutor simplesmente tomar decisões questionáveis: é como se ele julgasse a humanidade e não fizesse parte dela. Isso para mim soa interessante, o Doutor do Capaldi sinceramente é um dos mais alienígenas, por claramente não entender os humanos. Na visão de Clara ele os abandonou diante de tamanha situação, ao invés de ajudá-los. Já na do Doutor, ele os respeitou. É como se alguém fizesse tudo por você e não lhe ensinasse nada, o aprendizado será lento já que não se consegue nunca tomar uma decisão por conta própria.

Ressalto mais uma vez a ótima decisão em tirar o manto de garota impossível de Clara. Ela consegue desenvolver-se melhor assim. O problema não mais é sua falta de consistência. A personagem por si só é chata e não combina com Capaldi. Nunca vi essa química entre os dois que tanto falam e, para mim vai ficando cada vez mais evidente as diferenças entre o "casal". São como água e óleo, não se completando, apenas batendo de frente um com o outro.

A humanidade ainda é uma criancinha andando de bicicleta com rodinhas. Mal consegue tomar suas próprias decisões e mesmo quando faz algo, precisa de um empurrãozinho para tomar equilibro. E ao final, ainda reclama. Ou seja, somos meros bebês birrentos.
Clara cada vez mais evidencia sua distância da própria série e o Doutor continua seguindo o seu rumo, já que a velha companion não lhe cai mais tão bem assim.
Kill the Moon não é um grande episódio, mas interessante dentro desta temporada (que para mim está bem abaixo do normal). Tudo é simples, porém o episódio perde um pouco por ser tedioso, já que a história não tem força suficiente para os cinquenta minutos.
Não sei que rumos o Doutor irá tomar, mas por enquanto continuo aqui, não tanto como critico, mas como um telespectador esperançoso que consegue ver o enredo se desenvolvendo a cada episódio, mesmo que em pequenos passos. Quem sabe até onde Capaldi pode chegar?
Espero que a morte da lua seja só o começo.


El Psy Congroo.
Seja o primeiro a comentar.

Postar um comentário